Lucão e Jucilei viram símbolos da melhora defensiva do São Paulo

Tricolor comemorou o seu terceiro jogo consecutivo sem sofrer gols

Comentar
Compartilhar
06 ABR 2017Por Gazeta Press14h30
Com 21 anos, Lucão foi bem nas três partidas oficiais em que esteve em campo neste anoFoto: Eitan Abramovich/AFP

O São Paulo empatou por 0 a 0 com o Defensa y Justicia-ARG, na última quarta-feira, fora de casa, pela estreia na Copa Sul-Americana, e comemorou o seu terceiro jogo consecutivo sem sofrer gols. Titular em duas dessas partidas, o zagueiro Lucão, alvo de críticas de imprensa e torcida nos últimos anos, virou o símbolo da melhora defensiva do Tricolor, ao lado do volante Jucilei.

A série começou na vitória magra por 1 a 0 sobre o São Bernado, em 29 de março, pelo Campeonato Paulista. Na ocasião, o técnico Rogério Ceni mandou a campo um time reserva e com três zagueiros, sendo um deles Lucão, que fez companhia a Lugano e Douglas. No duelo, o defensor de 21 anos mostrou frieza e não lembrou nem de longe o jogador inseguro da temporada anterior.

A segunda partida em que a defesa passou incólume foi no último domingo, quando o São Paulo bateu o Linense, por 2 a 0, pelas quartas de final do estadual. Desta vez, porém, Lucão ficou no banco, enquanto Maicon e Rodrigo Caio foram os titulares. Quem se destacou foi Jucilei, que provou estar em melhor forma física ao obter oito desarmes e fazer bem a transição entre os setores defensivo e ofensivo, com 92 passes certos e apenas dois errados.

Diante do Defensa y Justicia, Ceni não contou com 13 jogadores, incluindo os suspensos Maicon e Lugano, o que o obrigou a escalar um time com três zagueiros na cidade de Lanús, na grande Buenos Aires. Breno, Rodrigo Caio e Lucão formaram a defesa tricolor, com destaque para este último, que foi seguro durante toda a partida ao abreviar as jogadas argentinas em diversos momentos do duelo.

“A gente fica feliz, fomos muito cobrados no Campeonato Paulista e agora estamos há três jogos sem tomar gols”, celebrou Rodrigo Caio, dividindo os méritos com os outros setores. “Todos estão correndo, se dedicando e ajudando na marcação. Não é só a defesa. O mérito é da equipe inteira”, ressaltou.

A efeito de comparação, a última vez em que o clube do Morumbi havia passado incólume em três partidas seguidas ocorreu entre agosto e setembro de 2015, quando o treinador era o colombiano Juan Carlos Osorio. Na ocasião, o São Paulo venceu Ponte Preta (3 a 0) e Internacional (2 a 0), e empatou com o Joinville (0 a 0), pelo Campeonato Brasileiro.

O confronto de volta com o Defensa y Justicia acontecerá somente em 11 de maio. Até lá, o Tricolor terá pelo menos o segundo embate com o Linense, neste sábado, pelas quartas de final do Paulistão, e os dois jogos contra o Cruzeiro, pela quarta fase da Copa do Brasil, nos dias 13 e 19 de abril.

“Jogamos fora de casa na Argentina, não levamos gol e isso nos dá confiança para os outros campeonatos. Dia 11 de maio a gente se encontra de novo no Morumbi, em um campo que a equipe está acostumada mais e provavelmente vamos fazer um grande jogo lá”, disse o goleiro Denis, após o duelo na Argentina.

Ataque cai de produção

Coincidência ou não, o ataque do São Paulo caiu de produção ao passo que a defesa evoluiu. Desde a vitória por 3 a 1 sobre o ABC, em 8 de março, pela Copa do Brasil, a equipe do Morumbi só fez mais de um gol na vitória por 2 a 0 sobre o Linense, no último domingo, em casa.

No mais, perdeu por 3 a 0 para o Palmeiras, empatou por 1 a 1 com ABC, Ituano, Botafogo-SP e Corinthians, venceu pela contagem mínima o São Bernardo e ficou no 0 a 0 com o Defensa y Justicia. Um dos fatores para essa queda de rendimento pode ser a ausência de Cueva nos últimos jogos.

O meia lesionou a coxa duas vezes em sequência e atualmente se recupera no Reffis. O camisa 10 perdeu os jogos contra Palmeiras, Linense e Defensa por problemas físicos, e Botafogo-SP, Corinthians e São Bernardo por estar a serviço da seleção peruana nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018.

De imediato, o clube trouxe o meio-campista Thomaz, que veio do Jorge Wilstermann-BOL. No entanto, nas palavras de seu treinador, o São Paulo é mais incisivo com seu melhor armador. “O time pode andar sem o Cueva, mas prefiro andar com o Cueva”, disse uma vez Rogério Ceni.