SEDUC

Irmãs de Guarujá brilham no Sulamericano de Jiu-Jitsu

Raphaella Ribeiro Neves e Gabriella Ribeiro Neves terminaram em primeiro e segundo lugar, respectivamente, em suas categorias

Comentar
Compartilhar
04 FEV 201518h02

As irmãs guarujaenses Gabriella Ribeiro Neves e Raphaella Ribeiro Neves, fizeram bonito no campeonato Sulamericano de Jiu-Jitsu Profissional disputado no final do mês, na cidade de Niterói, no Rio de Janeiro. As atletas fazem parte do projeto Nostra Aldeia – Palavra de Vida, que conta com o apoio da Prefeitura de Guarujá, por meio das Secretarias de Esporte e Lazer e Desenvolvimento e Assistência Social (Sede), além do Conselho Municipal da Criança e Adolescente (CMDCA) e da empresa Santos Brasil.

Raphaella, de 9 anos, foi campeã em uma categoria acima de sua idade, a categoria Infantil, para crianças entre 10 e 11 anos. Enquanto sua irmã, Gabriella, ficou com a segunda colocação na categoria Infanto-Juvenil, em que disputavam crianças entre 12 e 13 anos.

“Estou muito feliz com essa conquista. Espero que um dia este esporte torne-se Olímpico e que eu tenha idade para participar. Tenho muitos planos com a “Arte-Suave” (tradução de jiu-jitsu)”, disse Raphaella, após o bom resultado.

Raphaella Ribeiro Neves e Gabriella Ribeiro Neves terminaram em primeiro e segundo lugar, respectivamente, em suas categorias (Foto Divulgação)

O evento, organizado pela Confederação Brasileira de Lutas Profissionais (CBLP), reuniu 12 estados brasileiros, além de países como Uruguai, Peru, Paraguai, Argentina e Venezuela.

Com uma rotina de treinos que duram de quatro até seis horas por dia, aumentando de sete a 10 horas nas férias escolares, Gabriella Ribeiro Neves diz que o jiu-jitsu já faz parte de sua vida. “Antigamente via o Jiu-Jitsu como um passa tempo e diversão. Hoje deixou de ser um complemento, e virou parte de mim, não há mais como separar Jiu Jitsu da Gabriella”.

Segundo a mãe das atletas, Luciana Ribeiro, o esporte caminha lado a lado com a educação. “O Jiu-Jitsu foi durante muito tempo marginalizado e tido como a arte dos brigões. Queremos mostrar que isso não é mais o cenário à ser visto. Nossas filhas fazem são muito calmas e com seus mestres, Felipe Ferreira e Eduardo Barbosa seguem de perto a disciplina”, disse Luciana, que ainda agradeceu aos professores, além da prefeitura de Guarujá, pelo apoio.