Interino, Fernandes mantém pés no chão e enaltece clima harmonioso

Ex-jogador do Santos na década de 90 e criado da cidade, o auxiliar tem trânsito livre no clube e é muito querido por todos, inclusive pelos jogadores

Comentar
Compartilhar
06 MAR 201520h33

O Santos será comandado por Marcelo Fernandes neste domingo, contra o Botafogo-SP, pela oitava rodada do Campeonato Paulista. Membro da comissão permanente do clube, Fernandes diz que buscará suprir a ausência de um técnico efetivo, após a saída de Enderson Moreira, mas garante estar tranquilo com a situação inédita.

"A carreira que exerço sempre almeja ser um treinador um dia. Hoje, temos total consciência do que sou no clube. Quanto ao futuro, a Deus pertence. Não estou encanado. Estou como funcionário do clube para cumprir a missão que foi dada", avisou o profissional de 43 anos, que já aguarda pela chegada de um novo comandante para o elenco. "Eu sou fixo (na comissão), viajo com o time. As coisas acontecem com naturalidade. Importante é ir para o jogo, conseguir a vitória. Estamos aqui para apoiar qualquer profissional que chegue", comentou.

Ex-jogador do Santos na década de 90 e criado da cidade, Marcelo Fernandes tem trânsito livre no clube e é muito querido por todos, inclusive pelos jogadores.

"Com esse grupo, nunca tive problema de jogador. Esse grupo é muito bom. Não é conversa, o ambiente é muito bom mesmo. Qualquer profissional que chegar encontrar um grupo de trabalho excelente", afirmou, em sua estreia na sala de entrevistas do CT Rei Pelé.

Diante disso, o interino despistou sobre o notório desconforto que existia entre o grupo e Enderson Moreira.

Marcelo Fernandes comanda o Santos neste domingo (Foto: Divulgação/Santos FC)

"Não posso entrar nesse detalhe porque nunca vi o cima ruim. Jogadores sempre executaram o que o Enderson pediu. Não temos essa coisa de má interpretação do trabalho dele. No campo, nunca sentimos esse tipo de situação", explicou.

Marcelo Fernandes chegou a comandar o time santista durante o segundo tempo de uma partida contra o Fluminense, pelo Campeonato Brasileiro de 2013. Na ocasião, Claudinei Oliveira, que era o técnico, acabou sendo expulso. “Estou 100%, porque ganhamos de 1 a 0 e o gol saiu quando eu estava no comando”, brincou.

Para trabalhar com mais segurança enquanto o clube não contrata um novo técnico, Marcelo Fernandes será auxiliado pelo amigo Serginho Chulapa.

"Já fui comandado por ele no Santos. É um cara muito importante para o dia-a-dia. Ele chama de canto, conversa. Me perguntaram se queria alguém do meu lado, falei do Serginho. É um cara super do bem", explicou.

Nos dois únicos treinamentos que comandou antes do duelo contra o Botafogo-SP, neste domingo, o interino decidiu não mexer no time e manter o trabalho que Enderson vinha fazendo. Robinho e Davd Braz, suspensos, dão lugar a Gabriel e Gustavo Henrique, respectivamente. Além disso, Victor Ferraz está confirmado na lateral esquerda, já que Caju e Chiquinho ainda não têm condições de jogo, por causa de lesões.