Idolatrado e intocável, Romero ganha nova missão: “pisar” na área

Cada vez menos contestável no time, ele recebeu alguns toques da comissão técnica para melhorar ainda mais o seu desempenho

Comentar
Compartilhar
29 MAI 2017Por Gazeta Press14h30
Mesmo titular absoluto, Romero possui números medianos em termos de gols e assistênciasMesmo titular absoluto, Romero possui números medianos em termos de gols e assistênciasFoto: Rodrigo Gazzanel/Ag. Corinthians

O atacante Ángel Romero já se estabeleceu como titular do Corinthians e, no primeiro jogo sob a sombra de Clayson, deixou o gramado do Serra Dourada com pompa de ídolo da torcida presente à vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-GO. Cada vez menos contestável no time, ele recebeu alguns toques da comissão técnica para melhorar ainda mais o seu desempenho.

“Romero faz o que a gente espera, tem qualidade, chega bem na área, cumpre função. Estamos felizes com ele, que nos ajuda bastante”, afirmou o técnico Fábio Carille, quer quer ver o jogador, exaltado pela constante contribuição ofensiva e as boas tramas com Guilherme Arana pela esquerda, entrar mais vezes na área do adversário.

“Gosto dele não só por conta do trabalho, ele trabalha muito, mas pela confiança também, ele está confiante. Só que ele pode ser mais agressivo, pisar mais na área, estamos trabalhando para isso”, explicou o comandante, que viu o camisa 11 tentar até um chute do meio-campo no triunfo, mal sucedido.

O desejo de Carille faz sentido ao se analisar os números de Romero no ano. Presente em 25 dos 32 jogos do clube na temporada, ele tem três gols marcados e uma assistência, número pior, por exemplo, que os três outros integrantes do sistema ofensivo.

Jô, líder nas estatísticas, possui nove gols e quatro assistências ao longo de 2017, seguido de perto pelo meia Rodriguinho, com os mesmos nove tentos e um passe a menos para gol. Jadson, com cinco jogos a menos, tem quatro gols e quatro passes.

O ponto que mais incomoda Romero, porém, está longe de ser a disputa por números mais expressivos no ataque. Incomodado com críticas que considera até desrespeitosas por parte da imprensa, ele deve evitar entrevistas num futuro próximo. Incômodo que motiva manifestações de apoio dentro do grupo.

“Ele tem muita qualidade, finaliza muito bem, ajuda muito taticamente, tanto defende quanto ataca. Tem qualidade, dá caneta”, relatou o meia Rodriguinho, um dos que mais defendem a importância do companheiro. “Então tem que parar de ‘cornetar’ e dar um pouco de alívio para ele”, ordenou o armador.