Ganso ganha elogios e promessa de titularidade contra o Penapolense

O bom desempenho apresentado no na vitória sobre o The Strongest garantiu ao armador a promessa de que voltará a ser titular no domingo, pelo Paulistão

Comentar
Compartilhar
01 MAR 201316h38

Paulo Henrique Ganso precisou de apenas 18 minutos em campo para mostrar que pode ser decisivo com a camisa do São Paulo. O meia perdeu a titularidade para o duelo contra o Strongest para o atacante Aloísio, mas o bom desempenho apresentado no segundo tempo da vitória por 2 a 1 garantiu ao armador a promessa de que voltará a ser titular no domingo, pelo Campeonato Paulista.

Satisfeito com o rendimento do camisa 8, Ney Franco voltou a pedir paciência com a evolução de Ganso. Além disso, o treinador se mostra tranquilo com o ‘problema’ para encontrar um lugar para o ex-santista no bem-sucedido esquema tático 4-2-3-1 e avisou que dará mais uma chance para o Maestro diante do Penapolense às 18h30 (de Brasília).

“Fizemos 12 jogos e o Ganso entrou em 11. Foi titular em 3 no Paulista e está em sequência. Estou trabalhando com resultados. Lideramos o estadual e estamos vencendo na Libertadores. Esse é meu trabalho. É um jogador que foi contratado e a expectativa é de ser titular. Não vejo problema. Domingo vai ser titular mais uma vez da equipe, mas ainda espero que com o grupo todo ele também possa ser titular”, justificou o comandante tricolor.

Satisfeito com o rendimento do camisa 8, Ney Franco voltou a pedir paciência com a evolução de Ganso (Foto: Rubens Chiri/ São Paulo FC)

E para colocar Ganso no esquema que venceu a Copa Sul-americana, o técnico abre uma possibilidade que deixaria o time muito mais ofensivo: sacar um dos volantes. A formação que sacramentou a virada sobre o Strongest agradou na última quinta-feira e o meio campo formado por Wellington, Jadson e Ganso ganha força na cabeça de Ney Franco.

“Eu não vejo o Ganso como segundo volante, mas sim como um meia, como ele entrou hoje. De repente possa usar o Jadson mais atrás. Ou jogamos com um volante, o Wellington, e com um meia direita, o Jadson, e o Ganso na meia esquerda. Se optar por um meia trabalhando mais atrás, talvez seja melhor o Jadson”, analisou, citando a formação que vem sendo pensada desde a semana da derrota para o Atlético-MG.