Follmann celebra previsão de alta para o dia 23 e quer "vibrar pela Chapecoense"

Na última terça-feira, Jackson Follmann foi submetido a mais uma cirurgia, a última prevista, desta vez para enxerto de pele no tornozelo esquerdo

Comentar
Compartilhar
14 JAN 2017Por Estadão Conteúdo15h00
Jackson Follmann (centro) finalmente está próximo de deixar o hospitalFoto: Divulgação
Um dos quatro brasileiros sobreviventes do trágico acidente da Chapecoense, o goleiro Jackson Follmann finalmente está próximo de deixar o hospital. De acordo com o centro médico da Unimed em Chapecó (SC), onde ele está internado, a previsão é de que ele possa receber alta a partir do próximo dia 23.

Como era de se esperar, a informação aumentou a ansiedade de Jackson Follmann, que está internado desde o fim de novembro. Por isso, nesta sexta-feira, ele gravou um vídeo em que mandava um recado à torcida da Chapecoense e manifestava a empolgação com a proximidade da alta.

"Fala, torcedor da Chape. Estou aqui para agradecer o carinho de todo mundo, quem me apoiou, rezou por mim. Não só por mim, mas por todos os outros. Queria dizer que dia 23, se Deus quiser, vou ter alta no hospital. Estou muito feliz pela torcida de todo mundo e espero, no dia 23, estar junto de todo torcedor vibrando pelo nosso time", declarou.

Na última terça-feira, Jackson Follmann foi submetido a mais uma cirurgia, a última prevista, desta vez para enxerto de pele no tornozelo esquerdo. O goleiro teve parte da perna direita amputada e segue em tratamento por conta de uma osteomielite no local. Ele ainda passa por procedimentos de fisioterapia, fonoaudiologia e psicologia.

Jackson Follmann foi um dos seis sobreviventes da queda do avião da Chapecoense, que levava o elenco do clube para a decisão da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional, em Medellín, na Colômbia, e deixou 71 mortos. O jogador é o único que ainda não teve alta. Seus companheiros de clube, Alan Ruschel e Neto, já estão em casa e podem voltar ao futebol nos próximos meses.

Reforço

Mantendo a rotina dos últimos dias, a Chapecoense esperou que toda a burocracia fosse resolvida para, nesta sexta-feira, apresentar mais dois reforços que já vinham treinando com o elenco: o volante Moisés, do Grêmio, e o lateral-esquerdo Reinaldo, do São Paulo. Ambos foram emprestados

Em sua primeira declaração como jogador da Chapecoense, o lateral, que foi bem pela Ponte Preta no Campeonato Brasileiro do ano passado, pediu união para ajudar o clube de Chapecó. "Não só nós jogadores, a gente vai precisar da ajuda de todos vocês (jornalistas). Vai ser um ano difícil, mas a gente vai dar nosso melhor para conquistar o objetivo que a gente almeja neste ano", afirmou.

Ele deve disputar posição com Diego Renan, ex-Cruzeiro, que foi contratado depois de também fazer um bom Brasileirão, pelo Vitória. "Vai ser uma briga sadia. Cada posição tem que ter dois jogadores de qualidade que possam jogar, porque vai ser um ano longo", comentou Reinaldo, que já trabalhou com Vagner Mancini no Sport, em 2012.

Já Moisés chega para brigar por uma vaga no meio-campo. Ele também ficará emprestado por um ano ao time de Chapecó e chega recomendado por Rui Costa, atual diretor-executivo da Chapecoense, que o conhecia quando tinha esse mesmo cargo no Grêmio.

Ao ser apresentado, o jogador de 22 anos, falou sobre a responsabilidade de chegar à Chapecoense neste momento e elogiou a política de contratações do clube. "É uma responsabilidade muito grande para todos nós. Temos que representar todos aqueles quer partiram. É uma honra muito grande. O elenco foi escolhido a dedo. Pelo diálogo do dia a dia dá para ver que o grupo é bem fechado. Todo mundo sabe a responsabilidade de estar aqui. Vamos honrar essa camisa", garantiu.

O clube já apresentou os seguintes jogadores: o goleiro Elias, o lateral-direito Zeballos, os zagueiros Douglas Grolli e Luiz Otávio, o lateral-esquerdo Reinaldo, os volantes Andrei Girotto, Moisés e Amaral, os meias Nadson e Dodô e os atacantes Niltinho, Rossi e Osman.