Fifa retira suspensão de quatro jogos a Messi por xingar assistente brasileiro

Na ocasião, a Fifa afirmou que Messi violou 'o artigo 57 do Código Disciplinar (da Fifa) ao pronunciar palavras injuriosas contra um árbitro assistente'

Comentar
Compartilhar
05 MAI 2017Por Folhapress22h30
A Fifa anunciou que aceitou o recurso apresentado pela AFA e revogou a suspensão de quatro jogos imposta a Lionel MessiA Fifa anunciou que aceitou o recurso apresentado pela AFA e revogou a suspensão de quatro jogos imposta a Lionel MessiFoto: Divulgação

A Fifa anunciou nesta sexta-feira (5) que aceitou o recurso apresentado pela AFA (Associação de Futebol Argentino) e revogou a suspensão de quatro jogos imposta a Lionel Messi, no dia 28 de março.

O atacante argentino havia sido suspenso por quatro jogos após insultar o assistente brasileiro Emerson Augusto de Carvalho durante a vitória da seleção argentina sobre o Chile, por 1 a 0, pelas eliminatórias sul-americanas.

Na ocasião, a Fifa afirmou que Messi violou "o artigo 57 do Código Disciplinar (da Fifa) ao pronunciar palavras injuriosas contra um árbitro assistente". Na nota desta sexta, a Comissão de Apelação diz que, apesar de classificar de reprovável a conduta do jogador, determinou que "as provas disponíveis não eram suficientes" e retirou a suspensão.

Além da revogação da suspensão, o capitão da seleção argentina também não terá mais que arcar com uma multa de 10 mil fracos suíços (cerca da R$ 31 mil). "A Comissão de Apelação lembra a importância de sempre mostrar respeito aos árbitros da partida e que tal princípio é essencial no futebol e que não será aceita qualquer conduta antidesportiva contrária ao princípio do fair-play", diz a entidade.

Com isso, Messi já poderá jogar pela seleção argentina na próxima rodada contra o Uruguai - a data ainda será definida, mas deve ocorrer entre final de agosto e começo de setembro.

A Argentina é a quinta colocada das eliminatórias da Copa do Mundo com 22 pontos, é a primeira equipe fora da zona de classificação para o Mundial da Rússia, em 2018.