Fifa libera R$ 137 milhões para CBF após banimento de Del Nero

O dinheiro havia sido prometido como parte de um plano de legado pela organização do evento, em 2014

Comentar
Compartilhar
03 JUN 2019Por Folhapress11h55
Fontes da CBF estimam que projetos no valor de US$ 35 milhões já foram aprovadosFoto: Ricardo Stuckert/CBF

Cinco anos depois da Copa do Mundo de 2014, o Brasil começa a receber o dinheiro prometido pela Fifa como parte de um plano de legado pela organização do evento. Desde o início do ano, a CBF já recebeu R$ 137 milhões da entidade em Zurique, dinheiro usado para programas de treinamento e projetos específicos aprovados pela Fifa.

Em 2014, o então-presidente da entidade, Joseph Blatter, havia feito uma promessa de doação de US$ 100 milhões para o desenvolvimento do futebol brasileiro. O "Fundo do Legado", porém, representava apenas 2% da receita obtida pela Fifa na Copa.

Projetos começaram a serem desenhados. Mas, em 2015, a eclosão dos escândalos de corrupção e o envolvimento direto dos dirigentes brasileiros levou a Fifa a congelar todos os repasses ao Brasil. O temor dos advogados era de que a Fifa fosse vista pela Justiça americana como tendo relações financeiras com um dos indiciados, no caso Marco Polo Del Nero.

Foi necessário que o cartola fosse afastado do futebol para que, finalmente, a Fifa voltasse a negociar a liberação dos recursos com a CBF. No final de 2018, um acordo foi fechado e, a partir do início do ano, o dinheiro começou a ser autorizado.

No total, fontes da CBF estimam que projetos no valor de US$ 35 milhões já foram aprovados. Pelo acordo, os gastos precisam ser justificados e o departamentos de compliance da Fifa e da CBF dão uma chancela para o uso do dinheiro.

Em 2014, a CBF havia declarado que usaria o dinheiro para investir no futebol de regiões que tinham ficado fora da Copa do Mundo. Tocantins, por exemplo, chegou a comprar um terreno para a construção de um centro. Durante a Copa, José Maria Marin e Jerome Valcke, então secretário-geral da Fifa, foram inaugurar outro centro em Belém.
Ambos estão banidos do futebol.

Colunas

Contraponto