Felipão justifica convocação de Robinho: “Espero técnica e alegria”

Na entrevista coletiva concedida após a divulgação da relação, o técnico Luiz Felipe Scolari explicou os motivos que o levaram a chamar o jogador revelado pelo Santos

Comentar
Compartilhar
31 OUT 201313h47

A lista de convocados para os dois últimos amistosos da Seleção Brasileira neste ano – contra Chile e Honduras, dias 16 e 19 de novembro – teve como novidades, além da convocação antecipada do zagueiro Marquinhos (Paris Saint-Germain), os nomes de Willian, do Chelsea, e Robinho, do Milan. Na entrevista coletiva concedida após a divulgação da relação, o técnico Luiz Felipe Scolari explicou os motivos que o levaram a chamar o jogador revelado pelo Santos.

“Tenho bons amigos fora do Brasil, e a gente vem mantendo alguns contatos e observando os jogos do Milan. O Robinho sabia que seria convocado. O que eu espero do Robinho é o que eu acho que ele tem: qualidade técnica e alegria. É um jogador que já tem 100 convocações, já jogou duas Copas do Mundo. É importante que, neste momento, a gente dê uma oportunidade ao Robinho”, explicou Felipão.

O treinador exaltou a versatilidade de Robinho, explicando que pensa em testá-lo em várias opções no setor ofensivo da equipe.“Ele pode jogar como um falso 9 ou um camisa 11. Em qualquer posição, do meio para a frente, rende. Dependendo do andamento do primeiro jogo, já pretendo testar uma nova situação tática na equipe”.

Segundo Felipão, a escolha de Willian está relacionada à retirada de Diego Costa da lista de convocados. “Quando eu procuro informações, muitas vezes de personalidade, eu procuro opiniões de a, b ou c. Neste momento, alguns jogadores do Chelsea foram importantes. Vamos ver se, na Seleção, ele realmente é aquele que eu vejo jogando pelo Chelsea. E se sua personalidade é aquela que as pessoas me passaram, para que a gente possa incluí-lo na nossa lista”.

Após dois anos, Robinho voltou a ganhar uma oportunidade de vestir a camisa da Seleção Brasileira (Foto: Divulgação)

Felipão também voltou a afirmar que esta lista não é a definitiva, e citou como exemplo a inclusão de Vampeta e Edilson na convocação às vésperas da Copa do Mundo de 2002.

“Temos que observar até a convocação de março (última data Fifa), e, se tiver que convocar um jogador novo, vamos convocar. Depois da convocação final é que vamos resolver. Todos os jogadores brasileiros têm as portas abertas. Se tivermos que trocar a convocação um dia antes (da lista final, que será divulgada dia 7 de maio) por acharmos que aquilo é o melhor para o Brasil, vamos fazer”, afirmou.