Emerson Sheik afirma que noitadas ficaram no passado

Sheik começou como titular no lugar do meia Jadson, que sentiu dores na coxa direita. Foi o jogador mais avançado da equipe, mas sem atuar como centroavante

Comentar
Compartilhar
15 MAR 2018Por Folhapress10h07
Sheik começou como titular no lugar do meia Jadson, que sentiu dores na coxa direita. Foi o jogador mais avançado da equipe, mas sem atuar como centroavanteFoto: Daniel Augusto Jr. / Ag. Corinthians

O gol de Emerson Sheik na vitória por 2 a 0 sobre o Deportivo Lara (VEN) não foi o primeiro do atacante neste ano, quando voltou ao Corinthians. Ele já havia marcado contra o Mirassol, no Campeonato Paulista.

Mas por ter sido na Libertadores, torneio em que ele foi um dos grandes nomes do título de 2012, a cabeçada desta quarta (14) chamou mais a atenção.

Ele havia passado pelo Corinthians de 2011 a 2014. Voltou em janeiro de 2018, aos 39 anos. E estar de volta ao clube nessa idade exigiu mudanças em seu estilo de vida. As noitadas que chamaram a atenção na primeira vez em que esteve em Parque São Jorge ficaram no passado, ele afirma.

"Quando começou o namoro para voltar [para o Corinthians] tive uma conversa com o Duilio [Monteiro Alves, diretor de futebol] e ele me disse que teria a chance de voltar, mas que eu precisava mudar alguns hábitos. Hábitos que não se encaixam no Corinthians. Digo as diversões de 2011, 2012...", afirmou após a partida contra os venezuelanos.

Sheik começou como titular no lugar do meia Jadson, que sentiu dores na coxa direita. Foi o jogador mais avançado da equipe, mas sem atuar como centroavante. Embora tenha feito o gol em jogada que mais caberia em um camisa 9 goleador.

O nome do atacante está associado a vitórias do Corinthians na Libertadores porque no título de 2012 ele fez gols importantes. Anotou contra o Santos na semifinal e fez os dois que selaram a conquista diante do Boca Juniors (ARG), no Pacaembu.

"As lembranças da Libertadores de 2012 não saem da cabeça do torcedor, mas temos de entender que o cenário mudou", disse Sheik, que tem recebido cuidados especiais do departamento de fisiologia do Corinthians.

"Emerson está treinando muito. Quando se fala em Sheik, em Ralf, me vem à cabeça que eu dizia que a gente precisava encorpar o time, ter mais respeito. Quando você coloca em campo o Emerson Sheik, campeão da Libertadores e do mundo, o Ralf, é outro peso. Faltou isso no ano passado quando os resultados não vieram [no Brasileiro]", constata o técnico Fábio Carille.

Sheik até deu de ombros quando perguntado se é um jogador predestinado a fazer gols importantes pelo Corinthians.

"Houve um tempo em que eu acreditava em sorte. Hoje não acredito mais. Acredito no trabalho", finalizou.