Em reencontro após 7 a 1, Brasil vence a desfalcada Alemanha em Berlim

O técnico Tite conseguiu o que queria: partir para a Rússia sem a presença do fantasma que há quatro anos assombra o time

Comentar
Compartilhar
27 MAR 2018Por Estadão Conteúdo18h30
Gabriel Jesus marcou o gol da vitóriaFoto: Divulgação/CBF

Quatro anos depois de passar pelo maior vexame de sua história, a seleção brasileira derrotou uma desfalcada Alemanha por 1 a 0 em Berlim, no último amistoso antes da convocação para a Copa do Mundo. Em nenhuma de suas dimensões a partida desta terça-feira tinha o peso da semifinal do Mundial de 2014. Mas Tite conseguiu o que queria: partir para a Rússia sem a presença do fantasma que há quatro anos assombra o time.

A Alemanha já havia esvaziado a partida. Joachim Löw mandou para campo um time com sete reservas e, durante a partida, fez cinco mudanças. O objetivo era o de testar novatos e opções diferentes para a Copa do Mundo. Mesmo assim, o time deu trabalho para a seleção brasileira.

Em comparação ao jogo da semana passada contra a Espanha, o alemão manteve apenas quatro titulares, deixando os demais no banco ou mesmo dando folga. Em relação ao jogo de 2014, apenas Boateng e Kroos voltaram agora a enfrentar o Brasil.

Antes de entrar para o jogo, o técnico Tite admitiu que a partida era o "maior teste emocional e psicológico" de seu grupo e que "vivia todos os dias com o fantasma" da derrota de 7 a 1 em 2014.

Sem contar com Neymar, machucado, Tite usou a partida para encontrar uma nova formação de uma seleção, ciente de que precisa reduzir sua dependência em relação ao jogador do Paris Saint-Germain. Ele colocou em campo uma equipe com Paulinho, Casemiro e Fernandinho, remanescente da semifinal de 2014, com o objetivo de fortalecer o meio-campo. A estratégia funcionou.