Em GP marcado por batida entre Hamilton e Vettel, inglês é tetra da F-1

O holandês Max Verstappen, que largou em segundo, liderou a prova de ponta a ponta e conquistou sua segunda vitória na temporada

Comentar
Compartilhar
29 OUT 2017Por Folhapress18h04
Hamilton tornou-se tetracampeão mundialFoto: Associated Press

Mesmo fora do pódio, Lewis Hamilton sagrou-se tetracampeão da F-1 neste domingo (29), no GP do México. O inglês chocou-se com Sebastian Vettel na primeira volta, e ambos tiveram que realizar uma prova de recuperação em busca de suas pretensões na temporada. Melhor para o piloto da Mercedes, que terminou em nono e garantiu o título já que o da Ferrari acabou em quarto, posição insuficiente para tentar um milagre nas duas últimas corridas do ano, no Brasil e Emirados Árabes.

O holandês Max Verstappen, que largou em segundo, liderou a prova de ponta a ponta e conquistou sua segunda vitória na temporada. Valtteri Bottas foi o segundo colocado, enquanto Kimi Raikkonen fechou o pódio, terminando a prova na terceira colocação.

A largada foi repleta de emoções. Saindo em terceiro, Hamilton tentou abrir e ultrapassar Vettel e Verstappen. O alemão conseguiu manter a ponta, porém foi tocado pelo holandês e perdeu a liderança.
O piloto da Mercedes se aproveitou da confusão e também passou Vettel, porém a asa dianteira da Ferrari atingiu o pneu traseiro do inglês. Ambos acabaram prejudicados: o alemão teve que trocar o bico do carro, enquanto Hamilton precisou trocar o pneu furado.

Já que ambos pararam logo após a primeira volta, os dois foram para o final da classificação. Vettel foi para 19º, enquanto Hamilton ficou em último. Quem se deu bem com a situação foi Verstappen, que desgarrou na frente. Com dez voltas completas, o holandês da Red Bull tinha mais de um minuto de vantagem em relação a Hamilton, que subiu uma posição com o abandono de Ricciardo.

O inglês, líder da temporada, teve trabalho para executar sua primeira ultrapassagem. Sem conseguir sair da última posição até a 22ª volta, Hamilton recebeu a bandeira azul para deixar que Verstappen o ultrapassasse -e nada de superar o 18º colocado, Carlos Sainz Jr.

Enquanto isso, Sebastian Vettel ganhava posições. Apesar de ter tido algum trabalho para superar Felipe Massa, que era o 15º, o alemão foi subindo na classificação, chegando à nona colocação após 26 voltas. Hamilton só foi realizar uma ultrapassagem na 28ª volta, quando finalmente deixou Sainz para trás e foi para 17º -Hulkenberg abandonara a prova na volta 26.

Perto da metade da prova, o motor de Brendan Hartley pegou fogo e fez o safety car virtual ser ativado. Neste momento, a maioria dos pilotos optou por uma passagem no box -inclusive Vettel e Hamilton. O alemão apostou em pneus ultramacios para buscar ao menos a segunda posição, que adiaria o título do inglês, que colocou supermacios para subir na classificação.

Vettel chegou à sétima colocação, mas começou a ter problemas para se aproximar do bloco de frente. Mais para trás, Hamilton engrenou um bom ritmo e começou a subir: deixou Grosjean, Wehrlein, Gasly e Ericsson para atrás até a 46ª volta. A essa altura, era mais fácil o inglês garantir seu título pontuando do que o alemão se tornar o segundo colocado e deixar a disputa do título para o GP de Interlagos.

No bloco de cima, Verstappen manteve a liderança com folga, sem ser ameaçado por Bottas, segundo, ou Raikkonen, terceiro. Os pilotos de Mercedes e Ferrari, por sua vez, também estavam distantes um do outro, não esboçando mudanças de posição até o final.

A 12 voltas do fim, Vettel chegou à quarta colocação, mas a mais de 20 segundos do colega de Ferrari, Kimi Raikkonen. Todo o esforço do alemão foi em vão, pois Hamilton fez o que precisava para assegurar o tetra: ultrapassar Vandoorne, Massa e Alonso, encerrando o GP em nono.