Em crise financeira, Santos admite venda de revelação da base neste ano

A informação foi confirmada pelo presidente do clube, Modesto Roma Júnior, durante evento de comemoração dos 105 anos do Peixe; Thiago Maia e Zeca podem deixar o time

Comentar
Compartilhar
22 ABR 2017Por Diário do Litoral16h57
A confirmação partiu do presidente do clube, Modesto Roma JúniorFoto: Ivan Storti/Santos FC

O Santos deve vender ao menos um atleta na próxima janela internacional de transferência, que tem início no primeiro dia de julho. A confirmação partiu do presidente do clube, Modesto Roma Júnior, que vê como necessária uma negociação para equilibrar as despesas do Peixe nesta temporada.

A ideia da diretoria alvinegra era manter os principais jogadores ao menos até o fim do ano, quando chega ao fim a disputa da Libertadores da América. Nos últimos meses, no entanto, o Peixe sofreu com atraso de parte dos salários dos atletas – a dívida citada já foi quitada mediante empréstimo.

“Vamos ter que vender. Não vai ter como. Vamos ver as propostas, não dá pra fazer futurologia, mas o objetivo é bons negócios. É mais importante bons negócios do que bons jogadores (na próxima janela)'', afirmou Modesto Júnior, durante evento de comemoração aos 105 anos do clube.

O Peixe prefere não dizer qual jogador pode ser negociado, mas a tendência é que o lateral Zeca deixe a Vila Belmiro. Nas última semanas, ele retirou passaporte e cidadada italiana, facilitando uma transferência para o Velho Continete. Clubes da Itália e Espanha demonstraram interesse.

Outra opção de venda seria o volante Thiago Maia. Um dos principais jogadores do elenco, ele também despertou interesse de clubes do futebol europeu e, por diversas vezes, deixou claro o desejo de atuar em grande clube da Europa. O PSG, da França, seria um possível destino do atleta.

A venda de Joias da base é recorrente. Neymar, Ganso, Danilo, Alex Sandro... todos renderam boas cifras ao Peixe nos últimos anos. Em 2016, por exemplo, os atacantes Geuvânio e Gabriel foram negociados para China e Itália, respectivamente, e renderam cerca de R$ 100 milhões ao clube.