Elano quer continuar 'parceiro' dos atletas e diz que aceitaria ser efetivado

O jogo contra o Atlético Mineiro marcou a estreia do ex-jogador como técnico interino na Vila Belmiro

Comentar
Compartilhar
06 NOV 2017Por Estadão Conteúdo13h01
Elano quer continuar sendo considerado um 'parceiro' dos atletasElano quer continuar sendo considerado um 'parceiro' dos atletasFoto: Divulgação/Santos FC

Um dia antes da vitória por 3 a 1 sobre o Atlético Mineiro, os jogadores do Santos ficaram acordados até as duas horas da manhã. Problema? Longe disso. O elenco estava acompanhado do técnico interino Elano, que quer continuar sendo considerado um "parceiro" dos atletas.

"Ontem (sexta-feira) nós ficamos até duas horas da manhã no refeitório. Tomando café, contando piada e vendo NBA. Então cara, este é o ambiente. Eu quero trabalhar, mas quero ser amigo, parceiro", disse Elano, neste sábado, na entrevista coletiva logo depois da partida no estádio da Vila Belmiro, em Santos.

O jogo marcou a estreia do ex-jogador como técnico interino na Vila Belmiro. E seu primeiro jogo não poderia ser melhor. Do banco de reservas, assistiu Arthur Gomes ser um dos destaques da partida. O jovem atacante, que não vinha sendo aproveitado por Levir Culpi, foi a principal aposta de Elano para o time titular

O técnico interino, no entanto, preferiu não polemizar. Ele afirmou que durante a semana colocou em prática novas ideias de trabalho, mas ressaltou que o trabalho como auxiliar dos últimos treinadores do Santos foi importante para acumular experiência.

"Eu tenho a minha maneira de trabalhar. Tenho minhas ideias, meu perfil. Então, a partir do momento que eu sou o treinador, eu coloco minhas ideias, treino do meu jeito. Algumas coisas vão ser diferentes do que estavam sendo feitas. Mas o que foi feito deu muitos frutos porque eu trabalhar com o Dorival (Junior) e o Levir meu deu uma certa bagagem para esse momento de hoje. A experiência de você ser um auxiliar por sete, oito meses é positiva", afirmou Elano.

Sobre a possibilidade de ser efetivado em 2018, o interino afirmou que aceitaria o cargo caso fosse convidado pela diretoria do clube. "Não tem como recusar. É uma proposta irrecusável, assim como foi com o (Fábio) Carille. Esse momento é delicado porque é um momento político. Eu tenho a minha carreira também, então não posso cravar nada. Eu estou fazendo o melhor para o Santos, que é trabalhar, fazer o Modesto feliz e fazer o time ganhar", disse.

Bicampeão brasileiro pelo clube como jogador, Elano disse ainda que o clube segue sonhando com o título do campeonato deste ano. "A gente sabe que não é tão simples assim ganhar um Campeonato Brasileiro. Mas o campeonato está aberto. Não só eu tenho que sonhar, os jogadores também. Sonhar é livre e a gente acredita", completou.