Decisiva em 2015, dupla passa a viver "inferno astral" no time

Rogério e Alan Kardec terminaram 2015 em alta, sendo decisivos na classificação do São Paulo para a Libertadores

Comentar
Compartilhar
13 JUN 2016Por Folhapress16h30
Kardec marcou 11 gols em 2015, alguns deles na reta final do BrasileiroKardec marcou 11 gols em 2015, alguns deles na reta final do BrasileiroFoto: sãopaulofc.net

Rogério e Alan Kardec terminaram 2015 em alta, sendo decisivos na classificação do São Paulo para a Libertadores. Tudo indicava que entrariam neste ano como peças importantes do time, mas acabaram sofrendo reviravoltas. Hoje, ambos enfrentam fases ruins e têm futuros incertos no Morumbi.
 

Kardec marcou 11 gols em 2015, alguns deles na reta final do Brasileiro: dois na 35ª rodada, em vitória sobre o Atlético-MG, e um na penúltima, ajudando a garantir vitória sobre o Figueirense. Com a saída de Luis Fabiano, o centroavante fechou a temporada com a perspectiva de assumir uma vaga de titular absoluto em 2016 e liderar o ataque são-paulino na Libertadores.

A oportunidade durou pouco -em um negócio de oportunidade, o São Paulo contratou Jonathan Calleri. O argentino ganhou a vaga de titular e conquistou a torcida com gols, relegando o companheiro brasileiro ao banco de reservas.

Kardec perdeu confiança, e não vem conseguindo aproveitar as oportunidades que tem. Em 28 jogos, marcou só um gol, e faz uma das piores temporadas de sua carreira.

Rogério, por sua vez, enfrenta ainda mais problemas. Autor do gol da vitória contra o Goiás, na última rodada, o atacante não consegue convencer o treinador Edgardo Bauza, que prefere apostar em Centurión.

A chegada de Kelvin, que se tornou titular e arma importante na equipe, dificultou mais ainda a situação.
Bauza ainda prefere escalar Rogério na faixa central do campo, como um substituto de Ganso, o que não agrada o atacante, que chegou a reclamar. Em 18 partidas, o atacante balançou as redes três vezes e só foi titular em quatro oportunidades.

Futuro

Por enquanto, a perspectiva de futuro dos dois atacantes é de permanência no São Paulo. Rogério está na mira do Sport, e acaba de ser afastado pela diretoria. O clube paulista não quer negociá-lo, e acha que ele está tentando forçar uma situação que facilite sua saída.

A cúpula são-paulina ainda aposta em Kardec no segundo semestre, quando dificilmente terá Calleri, que terá encerrado seu contrato de empréstimo. Por isso, não pretende negociar o centroavante.