Cristian faz primeiro gol e adota receita "pés no chão" no Ituano

Para fazer melhor do que neste domingo, o discurso respeitoso será posto em prática pelos jogadores mais experientes do elenco ao longo da semana

Comentar
Compartilhar
06 ABR 201419h25

O petardo que foi parar no ângulo esquerdo de Aranha e deu ao Ituano a vitória por 1 a 0 sobre o Santos, nos 90 minutos iniciais da final paulista, foi o primeiro gol de Cristian na competição. Um gol muito importante - não só para ele -, mas ainda não decisivo, como o próprio jogador advertiu, ao final da partida deste domingo, no Pacaembu.

"Hoje foi um dia muito importante, mas é na semana que vem que realmente será selado esse campeonato", disse o ex-palmeirense, adotando discurso padrão de respeito ao adversário. "É preciso ter pé no chão mesmo. Não é um discurso balela, é pé no chão mesmo. Temos que entrar ligados e focados, como entramos em todos os jogos. É isso e mais um pouco".

A segunda final será daqui a uma semana, também no Pacaembu. Apesar de o Santos ter feito a melhor campanha até aqui, a equipe do litoral só terá como benefício jogar com maioria da torcida. Ao Ituano, vencedor do primeiro jogo, bastará um empate para ser campeão.

Meio-campista do Ituano quer seu time concentrado e respeitoso ao poder do Santos também na segunda partida (Foto: Ricardo Nogueira / DL)

"É uma vantagem, é lógico. O regulamento dá essa vantagem para a gente. Mas isso não quer dizer nada. Entrar em campo com 1 a 0 é bom, mas temos que ter pés no chão, porque tem mais 90 minutos de jogo. Temos que fazer isso que fizemos hoje para melhor", reforçou Cristian.

Para fazer melhor do que neste domingo, o discurso respeitoso será posto em prática pelos jogadores mais experientes do elenco ao longo da semana. "Na verdade, agora é mais bate-papo do que colocar a equipe para treinar, porque taticamente a gente sabe o que tem que fazer. A gente já treinou o que tinha que treinar", opinou o barbudo meia, alvo de gozação dos companheiros.

"A barba, não tem problema se me cortarem. O problema é que os caras estão querendo cortar meu cabelo. Aí não dá. E se o cabelo não cresce mais?", brincou, com os pés a caminho do vestiário.