Corinthians 'ideal' não funciona e Carille sofre pressão para mexer no time

O bom rendimento de Clayson no segundo tempo contra a Ponte fez o técnico falar em mudanças no time

Comentar
Compartilhar
31 OUT 2017Por Folhapress15h30
Fábio Carille mostrou confiança em relação ao time titular do CorinthiansFábio Carille mostrou confiança em relação ao time titular do CorinthiansFoto: Agência Corinthians

Fábio Carille mostrou confiança em relação ao time titular do Corinthians que entraria em campo contra a Ponte Preta. Na declaração dada na coletiva de imprensa dois dias antes do confronto, o treinador argumentou e citou até números da formação invicta para justificar a escalação de atletas em má fase.

A derrota por 1 a 0 em Campinas no último domingo (29), porém, ajudou a aumentar a desconfiança sobre a equipe ideal de Carille, que permaneceu 12 jogos sem vencer durante a temporada e brilhou nas campanhas do título estadual e do primeiro turno do Campeonato Brasileirão. Diante da Ponte, assim, os argumentos de Carille não foram justificados.

Ao explicar a decisão, Carille lembrou da invencibilidade e até do desempenho defensivo. "Muitas vezes você cria uma estratégia de jogo, a gente se apega a números, é uma equipe que não perdeu ainda, essa linha defensiva jogou 23 jogos, em 16 não levou gols", disse Carille

"Eu já falei várias vezes aqui, não mudo o sistema, mudo características dos jogadores. O Marquinhos fez um bom jogo sim, mas é em função do que analisamos da Ponte. É uma decisão minha conversando com os auxiliares, achamos melhor colocar em campo a formação que nunca perdeu", completou o treinador no último sábado.

Durante o primeiro tempo do duelo disputado no Moisés Lucarelli, o Corinthians teve Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Guilherme Arana; Gabriel e Maycon; Jadson, Rodriguinho e Romero; Jô. Com essa formação, o líder do Brasileirão adotou uma postura mais defensiva, à espera da Ponte Preta, e acabou sofrendo o gol de Lucca.

Na etapa final, Carille mexeu no time ao tirar o volante Gabriel para colocar o meia-atacante Clayson, que deu mais movimentação ao ataque. Depois, o treinador promoveu as entradas de Pedrinho e Kazim nas vagas de Romero e Maycon, respectivamente.

Mudança

O bom rendimento de Clayson no segundo tempo fez Carille falar em mudanças no time. Apesar disso, o treinador voltou a usar o termo "estratégia" para o clássico com o Palmeiras no próximo domingo em Itaquera.

"Essa possibilidade existe. Estamos satisfeitos com ele e pode acontecer. Está merecendo, mas a gente tem estratégia. Quem decide o jogo são 14 jogadores: os 11 que iniciam e os três que entram em campo. Muitas vezes usamos ele numa peça que não funciona muito bem. Se a gente vira o jogo 0 a 0, poderia fazer a troca direta pelo Romero, mas como virou 1 a 0, decidi deixar o time mais ofensivo", disse Carille após a derrota para a Ponte.

Em meio à queda de rendimento individual, o Corinthians faz uma campanha de rebaixado no segundo turno, com 12 pontos conquistados em 12 jogos - o aproveitamento é de 33,3%. O ataque fez apenas oito gols e a defesa sofreu 11.