Corinthians cai no México após 16 jogos sem perder na Libertadores

Em uma partida com participação decisiva da arbitragem e de atuação ruim do atual campeão, o Tijuana venceu por 1 a 0

Comentar
Compartilhar
07 MAR 201300h27

No jogo em que poderia igualar o recorde de invencibilidade da Copa Libertadores, o Corinthians caiu. Em uma partida com participação decisiva da arbitragem e de atuação ruim do atual campeão, o Tijuana venceu por 1 a 0, no estádio Caliente.

Com os visitantes em dificuldade no gramado sintético, só Paulinho e Guerrero conseguiram jogadas razoáveis no ataque. Criou problemas para o Timão a velocidade dos donos da casa, que acabaram fazendo o gol da vitória aos 19 minutos do segundo tempo.

O trio de arbitragem foi preciso ao anular dois gols de Paulinho, mas não viu impedimento no lance no mínimo duvidoso em que Gandolfi pôs a bola na rede de Cássio. Quando o placar ainda estava zerado, o peruano Victor Carrillo observou a agressão de Aguilar em Alexandre Pato, mas preferiu dar só o cartão amarelo ao zagueiro.

Arbitragem à parte, o Alvinegro fez pouco para evitar a derrota em Tijuana. A equipe contou com mais uma boa atuação do zagueiro Gil, mas sofreu com desempenhos ruins de Renato Augusto e Pato, tocou mal a bola e viu o adversário disparar na liderança do Grupo 5, com nove pontos. O campeão mundial tem quatro, seguido de perto pelo Millonarios, que soma três.

Com os visitantes em dificuldade no gramado sintético, Paulinho foi um dos poucos corinthianos em campo a conseguir fazer jogadas razoáveis no ataque (Foto: Estadão Conteúdo)

O jogo

A velocidade dos mexicanos foi rapidamente exibida na partida. Logo no primeiro minuto, Gil teve de bloquear três chutes dentro da área para impedir o gol dos anfitriões, que começaram o confronto de maneira agressiva, no campo de ataque.

Passada a pressão inicial, o Corinthians se assentou um pouco em campo, o suficiente para criar duas oportunidades. Paulinho marcou após cobrança de falta e após chute de Renato Augusto, mas os lances foram corretamente anulados por impedimento.

No entanto, continuou causando problemas a rapidez do Tijuana, mais habituado ao gramado sintético. Após uma boa troca de passes, Alessandro se esticou e impediu finalização de Martínez na cara de Cássio. Já Riasco recebeu na cara do goleiro, nas costas de Fábio Santos, e conseguiu a conclusão, mas perdeu a melhor oportunidade do primeiro tempo mandando por cima.

Ao fim dos 45 minutos inaugurais, apesar de uma ou outra troca de passes mais bem feita, como a que colocou uma bola na cabeça de Guerrero – o peruano preferiu o passe pelo alto e foi criticado pelo companheiro Emerson, comentarista da TV Globo na partida –, o Timão não desceu para o vestiário insatisfeito com o empate.

Após o intervalo, o Alvinegro adiantou a marcação e passou a ser mais perigoso. Aguilar só não foi expulso, aos 11 minutos, por agressão em Alexandre Pato, porque Victor Carrillo preferiu lhe exibir o cartão amarelo. Dois minutos depois, Guerrero encarou a marcação e obrigou Saucedo a fazer defesa difícil.

No entanto, aos 19 minutos, saiu o gol da vitória do Tijuana. Após batida de falta da meia esquerda, uma saída estranha de Cássio, um desvio em posição de aparente impedimento e um toque de mão de Fábio Santos, Gandolfi marcou de calcanhar com o gol vazio.

Tite tentou levar o Corinthians à frente com Edenílson, Romarinho e Douglas, mas a equipe falhou na tentativa de criar chances claras, ouvindo até gritos de “olé”. O Timão falhou também na busca pelo recorde de partidas sem perder na Libertadores, que segue com o Sporting Cristal da década de 1960.