Comissária de voo da Chapecoense vai processar a Lamia por falta de salário

Com dificuldades financeiras, a comissária iniciou uma campanha na internet para receber doações até que possa ter condições de voltar a trabalhar

Comentar
Compartilhar
25 JAN 2017Por Folhapress17h00
Acidente vitimou 71 pessoas em novembro do ano passadoFoto: Divulgação

A comissária Ximena Suárez, uma das seis sobreviventes do voo da Chapecoense, anunciou que abrirá um processo contra a companhia Lamia para receber seus salários e benefícios trabalhistas.

Ximena, que está com o pé direito imobilizado e recebe atenção de uma psicóloga desde que deixou o hospital, afirmou que não recebeu os salários dos cinco últimos meses e ninguém da empresa se comunicou com ela para dar um parecer da situação. Ela recebia US$ 400 (R$ 1.268,00) mensais.

O advogado Carlos Subirana contou que Ximena, ao menos, recebeu ajuda do seguro contratado pela Lamia. A companhia arcará com todos os gastos médicos que ela teve na Colômbia e a atenção que está recebendo na Bolívia, sendo que o valor não poderá ultrapassar US$ 25 mil (R$ 79 mil).

Com dificuldades financeiras, a comissária iniciou uma campanha na internet para receber doações até que possa ter condições de voltar a trabalhar. Ela afirma que vem tendo dificuldades para dormir e está gastando bastante com medicamentos.

A meta de Ximena é arrecadar US$ 100 mil (R$ 317 mil). Em dois dias, recebeu US$ 1.150 (R$ 3,65 mil).