Com Massa solitário, Vettel tenta repetir tetra de Fangio e Schumi

O alemão Sebastian Vettel tentará repetir o tetracampeonato consecutivo logrado por Juan Manuel Fangio e Michael Schumacher

Comentar
Compartilhar
14 MAR 201312h14

Pela primeira vez em 35 anos, o país que já contou com Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna terá apenas um representante no grid da Fórmula 1. Com Felipe Massa na condição de único brasileiro na categoria, o alemão Sebastian Vettel tentará repetir o tetracampeonato consecutivo logrado por Juan Manuel Fangio e Michael Schumacher a partir do Grande Prêmio da Austrália, marcado para as 3 horas (de Brasília) de domingo. Os primeiros treinos livres acontecem já na noite desta quinta-feira.

Sobrinho do tricampeão Ayrton, Bruno Senna disputou a temporada de 2012 pela Williams, mas acabou substituído pelo finlandês Valtteri Bottas. Desta forma, Felipe Massa, que correu risco de dispensa no ano passado, encara a missão de representar o Brasil.Então com 31 anos, Emerson Fittipaldi, já bicampeão do mundo, iniciou o campeonato de 1978 de maneira solitária, mas ganhou a companhia de Nelson Piquet ao longo do ano. Em 1984, foi a vez de Ayrton Senna estrear na principal categoria do automobilismo.

Atualmente, no entanto, as perspectivas são desanimadoras, a ponto de Massa criticar a Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) pelo descaso com as categorias de base. A proliferação dos chamados "pilotos pagantes" complica ainda mais a situação dos brasileiros – Luiz Razia, por exemplo, acabou dispensado pela Marussia.

Sem vencer desde 2008, Massa começou 2012 em baixa, mas reagiu expressivamente na segunda metade do campeonato e pontuou nas últimas 10 corridas da temporada, com direito a dois pódios. Nos dias que antecedem o Grande Prêmio da Austrália, ele fala com cautela sobre as chances da Ferrari.

“Acho que temos potencial para brigar na frente, embora até o momento não saibamos onde estamos em comparação com as outras equipes. A hora da verdade será a qualificação na Austrália. O que importa é saber que fiz um bom trabalho e que tive uma boa sensação em relação ao carro, que é mais fácil de pilotar que o de 2012”, disse.

A tendência, pelo menos nas primeiras corridas do calendário, é que Red Bull e Ferrari permaneçam dando as cartas na Fórmula 1, já que a McLaren, agora defendida pelo mexicano Sérgio Perez, parece ter perdido terreno. Nos testes da pré-temporada, a principal novidade foi a demonstração de força da Mercedes.

O finlandês Mika Hakkinen, campeão com a McLaren em 1998 e 1998, se diz otimista em relação a Perez. “Eles o escolheram por um motivo. É um piloto jovem e tem muita coisa a aprender. Se for paciente e interessado, com certeza terá sucesso”, declarou o ex-competidor.

Experiente, Felipe Massa será o único representante do Brasil na principal categoria do automobilismo (Foto: Luca Bruno/Associated Press)

Com um orçamento de peso, a Mercedes, comandada pelo gênio Ross Brawn, contará com o talento do britânico Lewis Hamilton, campeão mundial em 2008 pela McLaren. Assim, deve duelar com Lotus e McLaren pelo posto de terceira força do Mundial.

O alemão Sebastian Vettel, o mais jovem tricampeão da história da Fórmula 1, pode conquistar o quarto título consecutivo. Apenas o argentino Juan Manuel Fangio, campeão em 1951, 1954, 1955, 1956 e 1957, e o alemão Michael Schumacher, que triunfou em 1994, 1995, 2000, 2001, 2002, 2003 e 2004, lograram o feito.

“Acho que estamos bem o suficiente. De forma geral, os testes foram bons para nós e não tivemos muitos problemas. Mas as equipes se dedicaram a ver o que os pneus poderiam fazer e às vezes era extremamente difícil ler as mudanças de set-up e encontrar uma direção, porque os pneus eram sempre desafiadores”, disse Vettel, arquirrival do espanhol Fernando Alonso, da Ferrari.

Os novos compostos, desenvolvidos pela Pirelli, se desgastam com mais facilidade. O brasileiro Lucas Di Grassi, na condição de piloto de testes da fábrica italiana, participou da confecção dos pneus que serão utilizados em 2013, e prevê mudanças de estratégia.

“O pneu é mais rápido e tem mais aderência, mas sofre um desgaste maior. Por isso, as equipes precisam fazer um carro que seja mais suave nos pneus do que o de 2012. Os pilotos também devem entender o comportamento do carro em relação aos pneus e adaptar o estilo de pilotagem”, declarou Di Grassi.

Pela primeira vez desde a temporada de 1990, a Fórmula 1 não terá Rubens Barrichello ou Michael Schumacher, os dois pilotos com mais largadas na história da categoria, já que o brasileiro, afastado desde 2011, disputará a Stock Car e o alemão se aposentou.

Além de Valtteri Bottas, o mexicano Esteban Gutierrez (Sauber), o holandês Giedo van der Gande (Caterham), o francês Jules Bianchi (Marussia) e o britânico Max Chilton (Marussia) são novatos. Já o alemão Adrian Sutil retorna à Fórmula 1 pela Force India.