governo 2

Choro da queda

Palmeiras deixa escapar vitória no Rio e cai para a Série B do Brasileirão dez anos após o primeira rebaixamento

Comentar
Compartilhar
19 NOV 201200h29

O Palmeiras está rebaixado para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro. Com o empate com o Flamengo por 1 a 1, na tarde deste domingo (18), no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ), acabaram as chances palmeirenses de escapar da queda para a Série B.

Exatamente 10 anos depois de cair para a segunda divisão pela primeira vez, o Palmeiras está de volta à Série B. Mesmo tendo sido campeão da Copa do Brasil em julho, o time fez uma campanha sofrível no Brasileirão, que culminou com o rebaixamento no domingo.. Em 36 rodadas disputadas até agora, foram apenas 34 pontos somados, como nove vitórias, sete empates e 20 derrotas.

Marcado por perder um gol incrível ontem, Maikon Leite deixou o campo chorando muito, assim como Obina (Foto: AE)

Para evitar o rebaixamento agora, o Palmeiras precisava vencer o Flamengo e ainda torcer por tropeços de Bahia e Portuguesa na rodada. Mas os palmeirenses não conseguiram fazer nem mesmo a sua parte. Em Volta Redonda, o time saiu na frente com o gol de Vinicius, mas levou o empate de Vagner Love nos minutos finais e teve que amargar um sofrido empate.

Como o Bahia derrotou a Ponte Preta por 1 a 0, também durante a tarde de domingo, em Salvador, a única esperança palmeirense passou a ser a derrota da Portuguesa. Mas a Lusa conseguiu empatar com o Grêmio à noite. Com isso, o Palmeiras não tem mais chances matemáticas de evitar o rebaixamento, juntando-se ao Atlético-GO e ao Figueirense, que já tinham caído.

Flamengo 1 X 1 Palmeiras

Flamengo  - Paulo Victor; Wellington Silva, Renato Santos, Marcos González e Ramon; Amaral, Renato, Ibson (Mattheus) e Cleber Santana (Wellington Bruno); Hernane (Paulo Sérgio) e Vágner Love Técnico - Dorival Júnior.

Palmeiras - Bruno; Artur (Obina), Román, Maurício Ramos e Juninho; Corrêa, Márcio Araújo, Tiago Real (Vinicius) e Mazinho (Bruno Dybal); Maikon Leite e Barcos. Técnico - Gilson Kleina.

Palmeiras é campeão e rebaixado no mesmo ano

Foram 12 anos de hiato sem títulos nacionais de elite para o Palmeiras, entre a Copa dos Campeões de 2000 e a Copa do Brasil de 2012, no que a própria torcida chama de "década perdida". O recomeço parecia ter sido o título conquistado em julho passado, contra o Coritiba, mas o rebaixamento de ontem comprova que o tempo perdido ainda não acabou.

A reviravolta que o torcedor esperava ver pelo lado positivo acabou levando o clube para o lado contrário. Tudo parecia perfeito com o título da Copa do Brasil: o velho ídolo Felipão estava de novo no lugar mais alto do pódio, comandando um grupo coeso e brigador, a fama de sofrer contra times pequenos havia ido para o ralo, o elenco tinha ídolos como Valdivia, Barcos e Henrique e a presença na Copa Libertadores de 2013 estava garantida.

– Torcedores do Palmeiras se desesperaram na arquibancada do estádio (Foto: AE)

Mas praticamente todas as conquistas comemoradas em julho foram por água abaixo em pouco mais de quatro meses.

Para a Libertadores do ano que vem, a diretoria terá a incumbência de remontar boa parte do elenco e tudo isso em meio às eleições presidenciais que podem resultar em um choque de gestão. Até antigos ídolos, como o chileno Valdivia, têm futuro incerto.

Kleina se diz indignado com ‘azar’

Gilson Kleina respirou fundo antes de começar a sua entrevista no estádio Raulino de Oliveira. Após mais uma partida em que o Palmeiras viu a vitória perto e se complicou, o treinador atribuiu aos “deuses do futebol” o empate com o Flamengo em Volta Redonda.

“Estou com o sentimento mais tranquilo agora. Quando saí do campo, eu estava indignado. Pelo jogo que fizemos”, disse o técnico, que precisou lidar com uma lista interminável de baixas e ainda perdeu Tiago Real durante a partida. “Um monte de desfalques, um monte de problemas, que só aumenta. Fizemos o gol. Aí a bola foi chutada, resvalou e mais uma vez tomamos o gol dessa forma. Para explicar o que aconteceu, só os deuses do futebol”, acrescentou. “Agora é enfrentar a realidade”.

O técnico Gilson Kleina deve ser mantido no cargo em 2013 (Foto: Mauro Pimentel)

"Estamos no caminho certo", diz Arnaldo Tirone

Com os olhos cheios de lágrimas e o semblante assustado, o presidente do Palmeiras, Arnaldo Tirone, tentou explicar a queda para a Série B. Na ânsia de tentar passar tranquilidade para os torcedores, mostrou um otimismo que pegou muita gente de surpresa.

"Estamos todos tristes pelo que aconteceu, claro, mas a verdade é que estamos no caminho certo", disse Tirone. "Hoje o clube está mais tranquilo, as contas estão em dia e tudo o que era necessário fazer nós fizemos corretamente. O nosso problema foi acomodação após o título da Copa do Brasil, muitos problemas de lesões e a perda de mando de campo. Com tudo isso, fica difícil".

O presidente voltou a dizer que não se sente culpado pelo que aconteceu. "Eu seria culpado se não desse o máximo de mim. Não me sinto culpado, apenas responsável pelas coisas, como todos do clube", afirmou Tirone. Mostrando muita confiança, Tirone ainda fez uma promessa para a torcida palmeirense. "Sei que a torcida está chorando, mas eles vão sorrir porque o Palmeiras vai continuar sendo grande e voltaremos a dar alegrias para eles. Aos rivais, eu digo que quem está rindo ainda vai chorar em ver o nosso sucesso", disse Tirone.

Revelado pelo Palmeiras, Love sacramenta queda 

Revelado pelo Palmeiras e um dos destaques da equipe na conquista do título da Série B em 2003, Vagner Love foi o responsável pelo gol que impediu a vitória palmeirense sobre o Flamengo, ontem, em Volta Redonda (RJ). Após ser criticado durante quase todo o jogo pela torcida flamenguista, o atacante comemorou o gol marcado contra sua ex-equipe - já havia dito que o faria, durante a semana - e se eximiu de responsabilidade em um possível rebaixamento do Palmeiras.

"Felizmente, marquei meu gol. Infelizmente para o Palmeiras. Não é esse gol que vai causar o rebaixamento do clube. Eles estão em uma sequência complicada, fica difícil. Tenho que fazer o meu trabalho. Eu não procuro fazer mal a ninguém", disse Vagner Love, que não marcava há oito jogos. "Tenho muita gratidão pelo Palmeiras, mas sou um profissional."