Ceni explica por que Lugano é pouco aproveitado, mas elogia uruguaio

Desde o início da temporada ele entrou em campo apenas sete vezes e seu contrato termina no próximo dia 30 de junho

Comentar
Compartilhar
29 MAI 2017Por Gazeta Press21h00
Junto com Rogério Ceni, Lugano conquistou quatro títulos com a camisa do São Paulo, entre eles a Libertadores e o Mundial de 2005Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press

O impasse que vive Lugano no São Paulo deve chegar ao fim na próxima semana. Sem saber ainda se permanecerá no Morumbi, o zagueiro uruguaio vive a expectativa de seguir ajudando o elenco tricolor mesmo não sendo frequentemente aproveitado. Desde o início da temporada ele entrou em campo apenas sete vezes e seu contrato termina no próximo dia 30 de junho.

Apesar de não ser tão útil ao treinador são-paulino, Lugano é um dos líderes do vestiário e conta com o respeito de todos do clube. Tido como grande ídolo da torcida por conta dos grandes títulos que conquistou durante sua primeira passagem, entre 2003 e 2006, o uruguaio tem sua situação tratada com bastante cautela.

“O Lugano sempre está disposto a jogar. É um cara que ajuda muito, quando não joga, tem um comportamento excepcional. Também tenho que entender a partida, jogo contra um time mais veloz no ataque, na minha imaginação contra três atacantes com muita velocidade. Esse não é o principal fator do Lugano”, disse Ceni, explicando o motivo pelo qual muitas vezes o uruguaio não é aproveitado.

Deixando claro que monta sua equipe de acordo com as características do adversário, Ceni, no entanto, não abriu mão de contar com Lugano. O treinador deu exemplos de quando o zagueiro pode ir a campo e reconheceu sua conduta impecável no dia a dia com o elenco.

“Quando você tem um centroavante de área, mais pesado, ele se enquadra melhor no meu modelo de jogo. Claro que sei que o Lugano gostaria de jogar, e eu também gostaria de dar mais isso a ele, porque é um ídolo são-paulino. Mas ele se comporta muito bem sempre quando não é utilizado. Quando ele entra, dou a faixa de capitão a ele para que todos tenham noção da importância dele para o São Paulo” completou Rogério Ceni.

Caso opte por não renovar o contrato de Lugano ao menos até o fim de 2017, o São Paulo corre o risco de ficar com poucas opções para o setor defensivo, já que Rodrigo Caio também pode se despedir do Morumbi no meio do ano com a abertura da janela de transferências europeia. Ficaria à disposição de Rogério Ceni apenas Maicon, Lucão, Militão e Douglas, já que Breno foi emprestado ao Vasco.