Brasil vence os Estados Unidos na estreia da Copa América

Com Júnior Negão no comando, Seleção Brasileira de Beach Soccer derrota norte-americanos por 7 a 4.

Comentar
Compartilhar
18 JAN 201319h55

Era a estreia que a torcida esperava. Diante de arquibancadas lotadas, o Brasil mostrou bom futebol, disposição e alegria para vencer os Estados Unidos por 7 a 4 (gols de Jorginho (2), Bruno Xavier (2), Datinha, Anderson Wesley e Daniel, para os brasileiros, Farberoff, Futagaki, Feld e Taguinod, para os norte-americanos), na estreia da IX Copa América, há pouco, na tarde desta sexta-feira (18), na arena montada na Praia do Gonzaga.

Abrindo a primeira rodada do torneio, o México, que perdia por 3 a 0, conseguiu uma virada espetacular sobre a Argentina, vencendo por 6 a 3 (gols de Plata (2), Villalobos, Rodriguez, Mosco e López, para os mexicanos, Levi (2) e Federico Hilaire, para os argentinos). Com esses resultados, a segunda rodada, na manhã deste sábado, dia 19, ficou definida com México x Estados Unidos às 9h e Brasil x Argentina às 10h30min (horário de Brasília).

Depois de um primeiro tempo ruim, quando viu os EUA fazer 3 a 1, o Brasil se recuperou e terminou a partida sob aplausos e gritos de ‘olé’. Júnior Negão, que estreou no comando da equipe aprovou. "Não começamos bem a partida, mas conseguimos nos recuperar, tocando a bola e jogando com inteligência. De uma forma geral, gostei da nossa atuação, a torcida foi importante demais, jogou com a gente durante todo o tempo, incentivando e nos empurrando para essa virada. Ainda temos muito a melhorar, claro, estamos iniciando um trabalho, mas foi uma boa vitória, uma vitória com a cara do beach soccer brasileiro. Todos estão de parabéns e, contra a Argentina, precisamos entrar concentrados desde o primeiro minuto porque é um adversário muito perigoso".

"Mesmo com o gol que fiz, algo que não é muito comum, não podemos abrir a guarda para uma equipe como o Brasil, que soube aproveitar nossos erros para virar o jogo. O que posso dizer é que nossa equipe, com tantas caras novas, teve uma pegada interessante, de não se intimidar, e isso é importante para os próximos jogos", comentou o americano Farberoff.

Bueno, Bruno Xavier e Buru comemoram um dos gols do Brasil (Foto: Divulgação)

Com bola rolando, os Estados Unidos deram um susto logo no primeiro minuto. McAndrews lançou e Feld, mesmo marcado de perto por Buru, acertou uma bela bicicleta, no canto de Mão: 1 a 0, aos 1’02". Fernando DDI quase empatou em cabeçada que passou raspando a trave. No ataque seguinte, os americanos ampliaram, com Taguinod aproveitando cruzamento rasteiro de Palmerin: 2 a 0, aos 2’37". Em desvantagem no placar, o Brasil precisava atacar. Aos 4’43", Xavier obrigou McAndrews à boa defesa e, no rebote, Benjamin quase marcou. Júnior Negão mexeu, mandou Jorginho, Daniel e Datinha à quadra e deu certo. Daniel encheu o pé e diminuiu: 2 a 1, aos 6’06". Mão se machucou, dando lugar a Leandro Fanta, e André entrou para reforçar o ataque. Só que os visitantes levavam perigo nos contra-ataques. E foi assim que chegaram ao terceiro gol, com Farberoff chutando para o gol vazio: 3 a 1, aos 10’11", placar do primeiro período.

Logo aos 12 segundos da segunda etapa, Buru cobrou o lateral e Jorginho cabeceou: 3 a 2. Um minuto depois, Jorginho, de novo, aproveitando lançamento de Bruno Xavier, tocou com categoria para encobrir o goleiro McAndrews: 3 a 3, aos 1’12". O jogo mudou. Marcando melhor e com a bola nos pés, a Seleção Brasileira passou a tocar com mais tranquilidade e Bruno Xavier quase marcou um gol de placa após linda arrancada. Dos pés de Anderson saiu o gol da virada. Em jogada individual, o cearense chutou forte, no ângulo, sem chances para Balsano, para virar o placar: 4 a 3, aos 6’19". Datinha, que chegara na manhã desta sexta-feira, dia 18, de São Luís (MA), onde recebeu o prêmio de ‘Atleta do ano’ do esporte maranhense, encheu o pé na bicicleta para ampliar: 5 a 3, aos 8’21".

Embalado pelo ‘olé’ que vinha das arquibancadas, os brasileiros mantiveram o ritmo no começo do último tempo. Bruno Xavier aumentou: 6 a 3, aos 1’38. Com a boa vantagem e o placar controlado, o Brasil mostrou habilidade, criando jogadas de efeito, sempre pelo alto e levando perigo à meta de Balsano. Benjamin teve boa oportunidade, Jorginho também quase ampliou, mas foi o baixinho Futagaki quem marcou, pelos Estados Unidos, diminuindo: 6 a 4, aos 8’02". O panorama não mudou e o melhor estava reservado para o fim. Benjamin recebeu, dominou e levantou a cabeça. O toque saiu perfeito para Buru, que ajeitou para Xavier bater forte: 7 a 4, aos 10’56", placar final. O primeiro passo rumo ao nono título da competição foi dado. Com a aprovação do ‘professor’ Júnior Negão", comento

"Tomamos um susto no começo do jogo, com os americanos "abrindo 3 a 1. Depois conseguimos empatar e virar e isso foi o mais importante. Estreia sempre tem um nervoso a mais, só que a gente sabe da nossa qualidade. Contra a Argentina, que não vai querer perder de jeito nenhum, vai ser muito difícil também, é um clássico e vamos lutar pela vitória ", afirmou Datinha.