Borja quebra jejum de 120 dias e pode ganhar sequência contra o Grêmio

O jogador começa a preparação para o jogo contra o Grêmio como favorito à posição de titular como centroavante, na vaga deixada por Willian

Comentar
Compartilhar
20 OUT 2017Por Folhapress15h30
Borja ganhou espaço como substituto direto de WillianFoto: Cesar Greco/Agência Palmeiras

De 21 de junho a 19 de outubro. O jejum de Miguel Borja com a camisa do Palmeiras durou 120 dias. Autor do segundo gol na vitória sobre a Ponte Preta, na noite da última quinta-feira (19), o colombiano pode ser recompensado no próximo fim de semana. O jogador começa a preparação para o jogo contra o Grêmio como favorito à posição de titular como centroavante, na vaga deixada por Willian, e pode iniciar um jogo após mais de dois meses.

Elogiado por Alberto Valentim depois da partida, o jogador ganhou espaço como substituto direto de Willian, que pode desfalcar o Palmeiras no jogo de domingo (22), em Porto Alegre. O artilheiro palmeirense na temporada sentiu dores nas duas coxas e vai passar por exames nesta sexta-feira (20) para saber a gravidade.

Antes de colocar o colombiano diante da Ponte Preta, Valentim mostrou preferência pelo camisa 9 em relação ao Deyverson na sua estreia como treinador palmeirense neste ano. Contra o Atlético-GO foi Borja quem substituiu Willian na tranquila vitória por 3 a 1.

Assim, Borja fica sob a expectativa de ganhar a primeira chance como titular desde 6 de agosto. O colombiano atuou os 90min na derrota por 1 a 0 para o Atlético-PR, em partida na qual Cuca, treinador na época, escalou um time formado por reservas -três dias depois, o Palmeiras seria eliminado da Libertadores pelo Barcelona-EQU.

O fim do jejum despertou carinho por parte do elenco palmeirense. Borja contou com o apoio público de companheiros e agora mira engatar uma sequência de jogos com a camisa alviverde. O próprio colombiano reconheceu que os outros jogadores "tentaram forçar" o reencontro do centroavante com as redes, que ocorreu justamente na última quinta.

"Estou contente por tudo o que fizeram os companheiros para tratar de que eu fizesse o gol. Estou indo para a casa muito feliz; agora é seguir trabalhando forte para estes nove jogos", afirmou o colombiano, antes de admitir a tristeza por perder espaço durante a Era Cuca
"Estou feliz e contente. Não foi fácil ficar este tempo todo sem jogar, sem marcar; 15 jogos sem ser titular, isso é difícil para todo centroavante. Estou tentando retomar tudo com calma e tranquilidade", destacou o jogador.

E Borja recebeu o apoio de nomes importantes do elenco após a vitória desta quinta-feira. O capitão Dudu, por exemplo, procurou destacar o trabalho do companheiro no dia a dia. "A gente fica feliz, pois sabemos o quando ele batalhou por este gol. A gente queria ajuda-lo nos jogos e hoje deu certo", disse ao Premiere FC.

O zagueiro Edu Dracena foi outro a elogiar o centroavante colombiano. O experiente defensor ainda se mostrou reflexivo ao tentar encontrar respostas para a má fase de Miguel Borja, que chegou ao Palmeiras como o principal investimento para a temporada [R$ 35 milhões].

"Ele é um cara que trabalha bastante e tem uma torcida muito grande por ele. Ele está pagando o preço pelo valor que veio para o Palmeiras. Para o jogador ter a tranquilidade tem que ter a confiança de todos, e ele tem a confiança de todos. Tomara que este gol possa levantar a moral dele para nos ajudar", discursou Edu Dracena.

Os elogios não se restringiram aos atletas. O técnico Alberto Valentim, que optou por Borja ao invés de Deyverson, antigo titular absoluto de Cuca, gostou da exibição do colombiano, que entrou em campo ainda no fim da primeira etapa em virtude da lesão de Willian.

"Todo mundo que está no banco tem que estar pronto. Se estão no banco, pode entrar. Achei que o Borja poderia dar velocidade, é um cara de bola de diagonais curtas. Ele entrou e entrou bem", disse Valentim, que vê evolução no futebol do camisa 9.