Aranha é chamado de “macaco” e sai de campo inconformado

Com o placar de 2 a 0 para os paulistas, muitos torcedores que estavam atrás do gol defendido pelo camisa 1 do alvinegro passaram a gritar a ofender o jogador

Comentar
Compartilhar
28 AGO 201422h29

Já nos acréscimos da partida desta quinta-feira, entre Grêmio e Santos, em Porto Alegre, a torcida gaúcha, passou a insultar o goleiro Aranha de forma absurda. Com o placar de 2 a 0 para os paulistas, muitos torcedores que estavam atrás do gol defendido pelo camisa 1 do alvinegro, setor destinado às torcidas organizadas, passaram a gritar a ofender o jogador com gritos racistas e imitar macacos.

Irritado, o goleiro respondeu e chamou a arbitragem, que não tomou nenhuma atitude e mandou o jogo seguir. Após o apito final, transtornado, o goleiro deu entrevista na beira do campo.

“A torcida xingar, pegar no pé, é normal. Nesse sentido: “bando de preto”, “cambada de preto”. Mas quando começaram a fazer corinho de “macaco”... foi muito rápido, eu falei para o câmera que estava ali: ‘filma lá’, e o cara não filmava. Eu fico nervoso mesmo, desculpa, mas eu fico puto mesmo. Mas felizmente não aconteceu nada de mais grave”, disse Aranha, bastante chateado. “Dói, dói, cara. Dói”.

Aranha foi chamado de macaco durante o jogo (Foto: Di Marco/Agência Estado)

O goleiro explicou também porque retrucou as ofensas e disse que foi mal interpretado pelo árbitro da partida.

“Ele (o árbitro) veio falar que eu estava provocando a torcida. Quando me chamaram de macaco, de preto, bati no braço e disse que sou preto, sim”, revelou Aranha, lembrando que o fato acontece com frequência no Sul. “Não são todos, mas sempre tem um racista. Está dado o recado para ficarem espertos para a próxima partida”.

Mesmo revoltado, o experiente jogador de 34 garante que não vai se abater para os próximos compromissos do Peixe.

“Eles usam várias maneiras para desestabilizar o jogador, mas já não sou mais novato, não vou deixar de jogar meu futebol por causa de torcedor”, encerrou.