Após empate sem gols, Muralha defende dois pênaltis e leva Mirassol às semifinais

O adversário nas semifinais não está definido, porque vai depender da pontuação geral de todos os quatro classificados

Comentar
Compartilhar
12 MAI 2021Por Estadão Conteúdo23h40
o goleiro Alex Muralha, ex-Flamengo, defendeu duas cobranças e o Mirassol venceu a disputa por 4 a 3o goleiro Alex Muralha, ex-Flamengo, defendeu duas cobranças e o Mirassol venceu a disputa por 4 a 3Foto: TWITTER/FPF

Nem parecia que Mirassol e Guarani disputavam uma das vagas nas semifinais do Campeonato Paulista, nesta noite no estádio José Maria Campos Maia, o Maião. O empate sem gols, com um futebol sonolento e sofrível, foi resultado da falta de coragem em atacar e buscar o gol. Na sorte dos pênaltis o goleiro Alex Muralha, ex-Flamengo, defendeu duas cobranças e o Mirassol venceu a disputa por 4 a 3. O seu adversário nas semifinais não está definido, porque vai depender da pontuação geral de todos os quatro classificados.

"Às vezes a gente é julgado de uma forma muito injusta. A posição de goleiro é muito complicada. Nosso time merece coisa maior, porque trabalhamos muito. O professor Eduardo (Baptista) é um cara muito competente. É difícil porque eu tive que sair, rodar o mundo para dar a volta por cima", lembrou o goleiro, que saiu escorraçado do Flamengo.

Nas cobranças de pênaltis, para o Mirassol acertaram Pedro Lucas, Diego Gonçalves, Reniê e Cássio Gabriel, enquanto Neto Moura chutou a bola na trave. Pelo Guarani acertaram Andrigo, Régis e Talles, enquanto Airton e Pablo perderam nas defesas de Muralha.

Os dois times participaram do mesmo Grupo D na fase inicial. A equipe da casa somou 18 pontos, quatro a mais do que o time de Campinas. Por isso mesmo, só agora eles se enfrentaram. Mas não precisavam se respeitar tanto.

O jogo começou muito lento, com os dois times se estudando demais e, por isso mesmo, sem aquela disposição necessária para um jogo tão importante. Com muitas faltas, dos dois lados, o jogo também ficou picado. Os jogadores da casa demonstravam muito nervosismo, sem usar sua principal característica de buscar o ataque.

O Guarani perdeu Júlio César, machucado, aos 30 minutos. Ele sentiu lesão após falta dura de Daniel Borges, que recebeu o cartão amarelo ainda aos 10 minutos. Entrou Renanzinho, com o time campineiro mantendo o trio ofensivo.

O segundo tempo começou no mesmo ritmo: um jogo tático. Mas o Mirassol teve uma grande chance de abrir o placar aos 16 minutos, quando o goleiro Rafael Martins saiu errado. Entregou a bola nos pés de Pedro Lucas, que ligou Diego Gonçalves no lado esquerdo. Ele bateu cruzado e o goleiro bugrino se recuperou ao saltar e dar um tapinha na bola que saiu rente a trave esquerda

Nem os técnicos acreditaram em mudanças, pelo menos, até os 33 minutos quando o volante Índio entrou no lugar do machucado Rodrigo Andrade. O Guarani ameaçou num chute de longe de Andrigo que passou perto da trave direita de Alex Muralha aos 39 minutos

Só aos 40 minutos é que aconteceu a primeira troca no Mirassol. Saiu Fabrício Daniel para a entrada de Mateus Anderson.

Aos 44 minutos, o goleiro Rafael Martins acabou advertido com cartão amarelo por retardar o jogo. Melhor era definir tudo nos pênaltis. Na disputa, brilhou a estrela de Muralha, que se encontrou no Mirassol e deu a volta por cima neste ano.

FICHA TÉCNICA

MIRASSOL 0 (4) X (3) 0 GUARANI

MIRASSOL
- Alex Muralha; Daniel Borges, Carlão, Reniê e Sousa; Daniel, Neto Moura e Cássio Gabriel; Diego Gonçalves, Pedro Lucas e Fabrício Daniel (Mateus Anderson). Técnico: Eduardo Baptista.

GUARANI - Rafael Martins; Pablo, Thales, Airton e Eliel; Bruno Silva, Rodrigo Andrade (Índio) e Andrigo; Matheus Souza (Régis), Júlio César (Renanzinho) e Davó. Técnico: Allan Aal.

ÁRBITRO - Thiago Luis Scarascati

CARTÕES AMARELOS - Daniel Borges, Diego Gonçalves e Fabrício (Mirassol). Rodrigo Andrade, Bruno Silva, Rafael Martins e Airton (Guarani).

LOCAL - Estádio José Maria de Campos Maia, em Mirassol (SP).