Após cirurgia, piloto da Indy passa bem e tem quadro estável na UTI

Ele havia acertado violentamente o muro seu carro na curva 3, indo parar apenas na curva seguinte, com o seu carro já começando a pegar fogo

Comentar
Compartilhar
19 MAI 201511h18

O piloto James Hinchcliffe passa bem na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Health Methodist Hospital após sofrer acidente durante os treinos das 500 Milhas de Indianápolis, na segunda-feira. Acordado, o canadense apresenta quadro estável.

Hinchcliffe foi submetido a uma operação na coxa esquerda, lesionada ao sofrer forte pancada no acidente. Ele havia acertado violentamente o muro seu carro na curva 3, indo parar apenas na curva seguinte, com o seu carro já começando a pegar fogo. Em seguida, foi retirado do carro com a ajuda dos médicos - estava consciente.

"Obviamente, estamos aliviados que James esteja acordado após a cirurgia", disse Sam Schmidt, um dos dirigentes da equipe Schmidt Peterson. "Isso é o mais importante agora nas nossas mentes. Vamos fazer tudo que for possível para garantir sua completa recuperação."

Hinchcliffe foi submetido a uma operação na coxa esquerda, lesionada ao sofrer forte pancada no acidente (Foto: Jamie Gallagher/Associated Press/Estadão Conteúdo)

De acordo com a Honda, fornecedora da equipe, o acidente foi causado por uma falha na suspensão dianteira do carro. O problema teria sido o responsável por fazer o piloto perder o controle do monoposto e acertar o muro.

O acidente de Hinchcliffe foi o quarto considerado grave desde o início das atividades preparatórias para as 500 Milhas de Indianápolis. Na semana passada, durante os testes, o brasileiro Hélio Castroneves e o norte-americano Josef Newgarden sofreram fortes batidas, com seus carros decolando. E embora tenham saído ilesos, os acidentes levantaram dúvidas sobre a segurança dos carros da Fórmula Indy nos circuitos ovais.

No último domingo, no início do treino classificatório, foi a vez do norte-americano Ed Carpenter se envolver um forte acidente. A batida levou a direção de prova a exigir que houvesse uma mudança na aerodinâmica do carro de todas as equipes, diminuindo a potência e a velocidade.