Agente quer bloquear contas do Santos por dívida com Lucas Lima

De acordo com o que alega no processo, a Khodor Soccer aciona o Santos porque Lucas Lima lhe cedeu seus 'direitos de personalidade de atleta profissional' no período

Comentar
Compartilhar
24 AGO 2018Por Folhapress13h00
De acordo com o que alega no processo, a Khodor Soccer aciona o Santos porque Lucas Lima lhe cedeu seus 'direitos de personalidade de atleta profissional' no períodoDe acordo com o que alega no processo, a Khodor Soccer aciona o Santos porque Lucas Lima lhe cedeu seus 'direitos de personalidade de atleta profissional' no períodoFoto: Divulgação/Agência Palmeiras

O empresário Edson Khodor quer bloquear as contas bancárias do Santos por causa de prêmios não pagos ao meia Lucas Lima entre 2015 e 2017, quando o meia estava na Vila Belmiro.

O empresário, dono da empresa Khodor Soccer, afirma que o clube possui dinheiro em caixa porque vendeu em junho o atacante Rodrygo para o Real Madrid (ESP) por R$ 172 milhões. A ação, com juros e honorários, supera a marca de R$ 800 mil.

De acordo com o que alega no processo, ao qual a reportagem teve acesso, a Khodor Soccer aciona o Santos porque Lucas Lima lhe cedeu seus "direitos de personalidade de atleta profissional" no período.

A cobrança é por metas alcançadas enquanto o meia defendeu o clube. Lima deixou a equipe no final do ano passado de forma conturbada, após assinar com o rival Palmeiras, onde joga atualmente.

O juiz Claudio Teixeira Villar já deu uma primeira decisão mandando o Santos ser citado para quitar a quantia ou apresentar oposição. O clube ofereceu à penhora um prédio próximo ao estádio da Vila Belmiro, na rua Tiradentes, avaliado em R$ 1,06 milhão.

Em resposta, os advogados da Khodor Soccer rejeitaram a oferta do edifício e querem a penhora das contas bancárias do clube. Eles citam a venda de Rodrygo ao Real Madrid, por 40 milhões de euros (R$ 190 milhões), em junho, para apontar que o Santos tem dinheiro em caixa.

Por outro lado, um processo movido pelo agente Giuliano Bertolucci, ao qual a Folha teve acesso, mostra que as contas do time alvinegro não andam tão bem, mesmo com a negociação do atleta.

Após ordem de bloqueio, a Justiça encontrou R$ 148.568,59 nas contas do clube em julho, quantia que hoje segue bloqueada por conta da ação de Bertolucci.

A Khodor Soccer afirmou à Justiça que o Santos deve a Lima R$ 100 mil por ter chegado às semifinais e final do Paulista de 2015 e mais R$ 100 mil pelos mesmos objetivos alcançados em 2016.

Também quer o pagamento de R$ 305 mil pela classificação entre os quatro melhores do Campeonato Brasileiro de 2016 e 2017.

"Inúmeras foram as tentativas na esfera amigável visando a resolução das pendências, porém foram todas infrutíferas", alega a empresa de Khodor, na ação.

Não é o primeiro processo da Khodor Soccer contra o Santos este ano. Em maio, ele cobrou comissão de R$ 230 mil pela exploração comercial dos direitos de Lucas Lima.

Pelo acordo, o time alvinegro pagava à empresa uma mensalidade de R$ 36 mil ao longo de 2017, mas não quitou as últimas parcelas. No mês passado, o Santos fez um acordo para pagar R$ 200 mil à Khodor por conta da inadimplência, resolvendo esse processo anterior. Semanas depois, a empresa voltou à Justiça, desta vez para cobrar os prêmios de Lucas Lima.

Contratado em 2014, o meia deixou o Santos no final do ano passado. Ele fez parte das equipes campeãs do Paulista de 2015 e 2016. Saiu da Vila Belmiro ao final do seu contrato, em dezembro do ano passado, após recusar repetidas ofertas de renovação.

Na última temporada, o relacionamento do jogador com a torcida se deteriorou. Além de más atuações em campo, houve irritação por conversas do atleta com o Barcelona. Lima passou a ser agenciado por Neymar da Silva Santos, pai do atacante Neymar.

Em novembro, o meia foi afastado do elenco pela diretoria, ao ficar evidente que ele não aceitaria a oferta para continuar no Santos.

Quando a negociação com o Palmeiras foi fechada, Neymar da Silva Santos recebeu R$ 4 milhões pela intermediação, feita junto ao diretor Alexandre Mattos, amigo pessoal do empresário.

Em contato com a reportagem, Edson Khodor confirmou o processo, mas disse que não gostaria de comentar por enquanto porque o departamento jurídico de sua empresa está cuidando do assunto.

Já Modesto Roma Júnior, ex-presidente do Santos entre 2015 e 2017 responsável pelos aditamentos do acordo que incluíram as premiações a serem pagas ao jogador, disse não se lembrar do fato.

"Não me lembro [do acordo para o pagamento da premiação]. Imagina se eu for lembrar de todos os contratos do tempo em que eu era presidente... Mas é simples. Se está em contrato, tem de pagar. Se não está, não paga", disse o ex-presidente Modesto Roma Júnior.

A Folha tentou contato com Lucas Lima por meio das assessorias de imprensa do Palmeiras e da NN Consultoria, empresa do pai de Neymar, mas não obteve resposta até a conclusão desta edição.

O atual presidente do Santos, José Carlos Peres, também não se pronunciou até a conclusão desta edição.

O departamento jurídico do time alvinegro está ciente do processo e tenta evitar a penhora das contas bancárias do clube.

A trajetória de Lucas Lima no Santos até a saída para o Palmeiras:

COMPRA
Em 2014, com a ajuda do fundo de investimento Doyen, Santos paga R$ 5 milhões ao Internacional pelo meia

DESTAQUE
No ano seguinte, com Lucas Lima como destaque, Santos é campeão paulista. Na final contra o Palmeiras, ele cobra o pênalti decisivo e tatua a jogada na perna

QUEDA
Já em 2016, jogador tem lesões e cai de rendimento. Ele recusa a chance de ir para a China acreditando que chegaria uma proposta da Europa, o que não aconteceu

IRRITAÇÃO
Pessoas presentes em uma roda de pôquer em São Paulo em junho de 2017 dizem que ele revelou que jogaria no Barcelona. Ele negou ter dito qualquer coisa sobre isso, mas o episódio irritou a torcida

MUDANÇA
No fim de 2017, sem aceitar oferta de renovação, ele é afastado do elenco do Santos. Semanas depois, é anunciado como reforço do Palmeiras