Etecs de SP suspendem aulas presenciais na fase vermelha contra a Covid-19

As unidades seguirão abertas para atendimento aos serviços administrativos essenciais e acolhida de alunos que não têm os equipamentos necessários para estudar remotamente

Comentar
Compartilhar
05 MAR 2021Por Folhapress07h58
Etec de Embu das Artes, na Grande São PauloEtec de Embu das Artes, na Grande São PauloFoto: Divulgação

As aulas presenciais em escolas técnicas (Etecs) de São Paulo ficarão suspensas enquanto o estado estiver na fase vermelha do Plano SP de enfrentamento da Covid-19.

As unidades seguirão com ensino remoto de segunda (8) até o dia 19, prazo inicial de vigência das restrições de abertura de comércio como forma de frear o avanço do novo coronavírus. Na ocasião, a situação será reavaliada.

As unidades seguirão abertas para atendimento aos serviços administrativos essenciais e acolhida de alunos que não têm os equipamentos necessários para estudar remotamente.

O uso dos ambientes será organizado por meio de agendamento, respeitando o protocolo sanitário do Centro Paula Souza, entidade que gere as Etecs e Fatecs (faculdades de tecnologia).

O estado de SP inicia o retrocesso à fase vermelha a partir da 0h de sábado (6).

O endurecimento da quarentena, conforme a Folha adiantou nesta terça (2), não incluirá o fechamento total de escolas. A regra adotada em dezembro pelo governo, de permitir aulas presenciais opcionais nas duas fases mais restritivas do Plano São Paulo de abertura econômica, vermelha e laranja, segue valendo.

O governo quer, contudo, retirar 80% dos 2,5 milhões de alunos que frequentaram aulas presenciais em fevereiro ao priorizar na rede pública grupos mais vulneráveis: quem precisa de alimentação, quem tem responsáveis que trabalham em serviços essenciais, sem acesso a tecnologia, com dificuldade de aprendizado e com saúde mental em risco.

No geral, o limite para frequência é de 35% da ocupação normal, nas redes pública e privada. No entanto, o secretário de estado da Educação, Rossieli Soares, pediu aos pais que, se possível, deixem os filhos assistindo aulas remotas nas próximas duas semanas, a fim de diminuir a circulação de pessoas.

Cada escola terá autonomia de planejar o funcionamento para as próximas duas semanas, que também deve contemplar a redução de funcionários presenciais nas unidades. Segundo o secretários, os professores trabalharão a distância sempre que possível. A estimativa é que apenas 50 mil funcionários e 500 mil alunos frequentem as unidades escolares.

Com isso, saiu chamuscado da mais recente discussão o secretário Jean Gorinchteyn (Saúde), que na terça havia defendido fechar totalmente as escolas. Ele foi obrigado pelo governador João Doria (PSDB) a divulgar uma nota reafirmando que o que dissera à rádio CBN era apenas sua opinião pessoal.

Na fase vermelha, apenas os serviços essenciais estão permitidos, e com limites. De forma controversa, nesta semana Doria permitiu que templos religiosos fossem incluídos na categoria, desde que respeitadas regras de distanciamento social -ocupação máxima de 30%, somente pessoas sentadas, sem coros e sem rituais que envolvam toques físicos.