Ensino a distância (EAD) será maior que Ensino Presencial até 2023

Para 2022, as projeções apontam para um mercado de mais de 243 bilhões de dólares

Comentar
Compartilhar
15 MAR 2019Por Estadão Conteúdo13h10
O mercado de cursos online está tomando forma e crescendo no território nacionalFoto: Divulgação/MCTIC/Agência Brasil

Em 2014, o mercado de EAD movimentou mais de 165 bilhões de dólares no mundo, e para 2022, as projeções apontam para um mercado de mais de 243 bilhões de dólares.

De acordo com a pesquisa divulgada pela ABMES (Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior), o ensino a distância tem crescido em um ritmo muito mais acelerado do que o ensino presencial. Segundo o estudo, o EAD deve ultrapassar em breve o ensino tradicional: estima-se que 51% dos estudantes matriculados no Ensino Superior deverão recorrer ao EAD até 2023, contra 49% dos que optarão por salas de aula tradicionais.

A capacitação profissional é pré-requisito para quem busca entrar ou se manter no mercado de trabalho, isto é fato, e a internet trouxe novas possibilidades para o âmbito da educação. De acordo com o Censo EAD BR, a busca por cursos de Ensino Superior a distância cresceu no ano anterior. Além da graduação, também tem aumentado a procura por cursos livres online.

Dentre as plataformas de ensino a distância mais populares, segundo a Forbes, destacam-se o Coursera, criado em 2012 por professores de Stanford (EUA), e a edX, plataforma lançada pelo MIT e Universidade de Harvard também em 2012. De acordo com a Forbes, a estimativa de receita do Coursera era de US$140 milhões de dólares em 2018

No Brasil, em 2017 cerca de 57% de toda a Educação a Distância foi destinada a cursos livres e de capacitação profissional, sendo que destes, apenas 11% dos estudantes de EAD eram graduandos em ensino superior

O mercado de cursos online está tomando forma e crescendo no território nacional. Plataformas vindas de fora, como a Udemy e Udacity fazem sucesso, assim como o Coursera e edX.

Mas existem algumas gigantes brasileiras do EAD, como a EduK e a CEFIS. Essas duas empresas "verde e amarelas" são bastante utilizadas pelos profissionais em busca de capacitação. Ambas vêm mostrando que concorrer no mercado nacional e internacional de atualização profissional não é problema, seja em nichos voltados para o artesanato e criação de pequenos negócios (eduK) ou para área contábil e de gestão empresarial, como é o caso da CEFIS.

Henrique Andrade, CEO da CEFIS, vê o futuro da educação aliado à Inteligência Artificial (IA). Não é por menos: esse tema, juntamente com Machine Learning (aprendizado de máquina), IoT (Internet das Coisas) e Blockchain, está listado entre as tendências dos próximos anos, além de ser prioridade de empresas brasileiras como a própria CEFIS, a Totvs e Nucont.

As tendências futuras para o EAD deverão ser cada vez mais focadas na busca por inovações tecnológicas e em gerar facilidade na absorção do conhecimento pelos usuários, haja vista que os serviços de streaming, educação e as mídias digitais estão em evidência, com potencial crescente de possibilidades e oportunidades  

No futuro, caberá aos profissionais se adequarem a esse novo cenário digital, que não desvaloriza a importância do mundo offline, mas é indispensável para Era da Informação, período atual em que vivemos.

Website: http://www.cefis.com.br

Colunas

Contraponto