Alckmin diz que não vai interferir em greve de universidades paulistas

Segundo o governador, as universidades têm autonomia financeira e são totalmente independentes para definir reajuste salarial para seus funcionários

Comentar
Compartilhar
22 JUN 2016Por Agência Brasil19h50
Geraldo Alckmin declarou que não vai interferir na paralisação das universidades paulistas (USP, Unesp e Unicamp)Geraldo Alckmin declarou que não vai interferir na paralisação das universidades paulistas (USP, Unesp e Unicamp)Foto: Agência Brasil

O governador Geraldo Alckmin declarou hoje (22) que não vai interferir na paralisação das universidades paulistas (USP, Unesp e Unicamp). Em greve desde 12 de maio, os trabalhadores reivindicam aumento salarial de 12,34%, que considera a inflação e a reposição de perdas anteriores. A direção das instituições oferecem 3% de reajuste.

Segundo o governador, as universidades têm autonomia financeira e são totalmente independentes para definir reajuste salarial para seus funcionários. Alckmin argumentou que o ensino superior em São Paulo recebe um percentual maior, de 30%, na comparação com outros estados brasileiros, que destinam 25% do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias (ICSM).

Dessa fatia, um terço é destinado ao ensino superior e o restante vai para o ensino básico. Para o governador, o percentual voltado às universidades é alto se considerado o valor investido por aluno em cada um desses níveis de ensino. “Querem tirar mais dinheiro do ensino fundamental e médio?”, questionou Alckmin.

Hospital Universitário

Os funcionários do Hospital Universitário da USP também estão em greve desde o dia 23 de maio. Eles reivindicam contratação de profissionais das categorias de saúde, como enfermeiros, técnicos, médicos e nutricionistas.

Os trabalhadores reclamam que, após o plano de demissão voluntária há dois anos, 213 funcionários (de um total de 1,4 mil) deixaram a instituição.

Alckmin informou que o hospital tem vida própria e as questões não cabem ao governo. O governador negou ainda a possibilidade de desvinculação do hospital da universidade, outro ponto criticado pelos funcionários. “Como é que você tem uma faculdade de medicina sem hospital?”, concluiu.