Vendas sobem 1,46% de janeiro a março no setor de supermercados, diz Abras

Em março, as vendas apresentaram elevação de 7,15% em relação a fevereiro e alta de 0,57% na comparação com o mesmo mês de 2014

Comentar
Compartilhar
29 ABR 201513h55

As vendas do setor de supermercados tiveram alta acumulada de 1 46% no período de janeiro a março de 2015, na comparação com o mesmo intervalo do ano anterior, de acordo com o Índice Nacional de Vendas da Associação Brasileira de Supermercados (Abras).

Em março, as vendas apresentaram elevação de 7,15% em relação a fevereiro e alta de 0,57% na comparação com o mesmo mês de 2014, quando analisadas em valores reais, isto é, deflacionados pelo IPCA.

Em termos nominais, as vendas do setor cresceram 8,56% em março na relação com o mês anterior e, quando contrastadas a março do ano passado apresentam ganho de 8,74%. No acumulado do ano, as vendas cresceram 9,22%.

De acordo com o presidente da ABRAS, Fernando Yamada, "apesar de contar com parte das vendas da Páscoa, o crescimento sobre março de 2014 foi baixo e mostra a tendência do setor para este ano, de crescimento de vendas mais moderado". O dirigente explica que de maneira geral, o resultado acompanha o desempenho da economia neste ano em que se prevê o resultado negativo do PIB e um aumento da taxa de desemprego. "Apesar desse cenário, as vendas do setor continuam positivas", acrescentou Fernando Yamada, por meio de nota.

As vendas do setor de supermercados tiveram alta acumulada de 1 46% no período de janeiro a março de 2015 (Foto: Divulgação)

Cesta

Em março, a cesta de 35 produtos de largo consumo conhecida como Abrasmercado, que é pesquisada pela GfK e analisada pelo Departamento de Economia e Pesquisa da Abras, registrou alta de 0,84%, passando para R$ 390,96 em março, de R$ 387,71 em fevereiro.

A associação destaca que as maiores altas por itens foram cebola (10,69%), ovo (6,64%), leite longa vida (5,54%) e tomate (4 62%). No caminho contrário, as maiores quedas foram registradas por batata (-6,97), xampu (-2,14%), extrato de tomate (-1,07%) e leite em pó integral (-1,02%).

Regiões

A alta nas cestas foi generalizada entre as regiões brasileiras em março. A elevação mensal na região sul foi a mais acelerada (1,99%), atingindo o valor de R$ 431,67. Em seguida, ficou o crescimento na região norte (1,01%) com o valor de R$ 429,70. A região sudeste ficou em terceiro, com elevação mensal de 0,31% e valor da cesta em R$ 372,93.