Reajuste de servidores deverá custar R$ 8,5 bilhões aos cofres públicos

Projetos que aumentam a remuneração de servidores públicos, em tramitação na Câmara dos Deputados terão prioridade na pauta de votações da Casa nos próximos dias

Comentar
Compartilhar
31 MAI 2016Por Estadão Conteúdo19h00
Reajuste de servidores deverá custar R$ 8,5 bilhões aos cofres públicosReajuste de servidores deverá custar R$ 8,5 bilhões aos cofres públicosFoto: Divulgação

Projetos que aumentam a remuneração de servidores públicos, em tramitação na Câmara dos Deputados, custarão cerca de R$ 8,5 bilhões aos cofres públicos em 2016. Durante reunião na segunda-feira, 30, o ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, e o líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), definiram que a urgência dos aumentos da Advocacia-Geral da União (AGU), da Defensoria Pública da União (DPU), do Tribunal de Contas da União (TCU), da Câmara e do Senado terão prioridade na pauta de votações da Casa nos próximos dias.

Segundo Moura, a orientação do presidente em exercício, Michel Temer, é "tratar todos os servidores da mesma maneira". Há um mês, a urgência das propostas relativas ao Supremo Tribunal Federal (STF) e ao Ministério Público da União (MPU) já haviam sido aprovadas. Se continuarem de acordo com a lei orçamentária, considerando apenas um período de seis meses, os gastos somarão cerca de R$ 230 milhões no Legislativo; R$ 1 bilhão no Judiciário; R$ 200 milhões no MPU; R$ 6 milhões na DPU; e R$ 6,5 bilhões no Executivo.

Com a urgência, os projetos passam a ter prioridade na pauta de votação do plenário. De acordo com Geddel, ele irá se reunir com os líderes da base aliada nesta terça-feira, 31, para discutir as propostas, mas não acredita que enfrentará resistência dos parlamentares.

Apesar de afirmar que ainda não possui o valor total dos gastos, que, segundo ele, ainda estão sendo avaliados, o governo está "tranquilo que poderá seguir com as votações" dos projetos. "Não é nada que desestruture o planejamento da equipe econômica", disse.

Para o líder do PSD, Rogério Rosso (DF), "os reajustes já estão previstos no orçamento, não se tratam de novas despesas, portanto as medidas vão implantar o que já foi aprovado" com a meta fiscal. Outro líder da base comentou que "se o governo considerar que pode bancar os ajustes mesmo com o déficit orçamentário, não vai bancar o herói e vai apoiar a decisão".

Para liberar a pauta, também deverá ser apreciada nos próximos dias a medida provisória que destina R$ 316 milhões para atender a agricultores familiares atingidos pela seca.

Os reajustes salariais foram propostos ainda pela gestão da presidente afastada Dilma Rousseff. Antes de assumir a Presidência, a equipe econômica de Temer havia sinalizado que poderia rever o que foi negociado com a equipe de Dilma, notícia que foi alvo de críticas do sindicalismo público. A votação do reajuste é um aceno de Temer aos sindicalistas, com quem vem enfrentando resistência.

DRU

O líder do governo na Câmara, André Moura (PSC-SE), afirmou mais cedo que o projeto da Casa que propõe a Desvinculação de Receitas da União (DRU) também será prioridade para o Planalto nas próximas semanas. Segundo Moura, já há um acordo com o presidente da comissão especial que analisa a medida, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para votar o relatório final na manhã desta quarta-feira, 1º.

A votação em plenário do parecer, contudo, deverá ocorrer somente na próxima semana devido ao interstício de dois dias estabelecido pelo regimento interno da Câmara. Depois de aprovado, a expectativa do Planalto é que o parecer vá direto para o plenário do Senado, sem precisar passar por nenhuma comissão da Casa. O texto original da DRU na Câmara prevê a desvinculação de 30% das receitas obrigatórias até 2023.