Público da Baixada Santista deve gastar R$ 400 com presentes, aponta pesquisa

Comerciantes estão otimistas para o Natal e consumidores pretendem gastar mais de R$ 400 durante o período

Comentar
Compartilhar
04 DEZ 2019Por Da Reportagem19h27
Natal animou comerciantes, que aguardam mais vendas durante o períodoFoto: Rovena Rosa/Agência Brasil

De acordo com a pesquisa feita pelo Sindicato do Comércio Varejista da Baixada Santista (SincomércioBS), 76% dos empresários que possuem estabelecimentos nas nove cidades da região esperam lucro elevado na época de Natal, em comparação ao mesmo período do ano anterior. Destes, 55% preveem uma alta de 10% a 15% no faturamento.

Ainda entre os otimistas, 20% contam com crescimento de 5% a 10% e, outros 20% dos entrevistados, aguardam melhora acima de 15%. Apenas 3% acreditam que o avanço será de até 5%. Registram no levantamento, também, os gestores preocupados com a queda nas vendas (4%), além dos que esperam manter o mesmo nível de 2018 (20%). O motivo mais escolhido, dentre as pessoas supondo diminuição, foi a crise econômica enfrentada pelo País (100%).

COMPRAS PARCELADAS.
A aquisição de presentes para os amigos e a família passará dos R$ 400, sendo a expectativa de gasto de 42% dos clientes entrevistados. Em seguida, classifica-se a opção "de R$ 300 a R$ 400" (22%), consolidando a previsão de grande movimentação no comércio local. Depois, aparecem: "de R$ 100 a R$ 200" (13%); "até R$ 100" (12%); "de R$ 200 a R$ 300" (11%).

A maioria (53%) vai quitar essas compras com o cartão de crédito, mas o dinheiro (29%) e débito (18%) também integram a lista. Para grande parte dos consumidores (34%), o número de mimos e recordações deve ser de 3. Entre 22%, a quantidade aumenta para 4 e, a outros 19%, a questão é "incerta ou não sabe". Para 15%, "2" e para 10%, "mais de 5".

Em relação ao conteúdo desses presentes, a intenção se divide, principalmente, entre dois itens: roupas (54%) e brinquedos (52%). Produtos como perfumes e cosméticos (34%), eletrônicos (26%), joias e bijuterias (23%) e bolsas e acessórios (18%) igualmente ganham destaque. Nessa questão, era possível selecionar mais de uma alternativa.

O levantamento foi realizado entre 4 e 28 de novembro de 2019, com 220 entrevistados na Baixada Santista.