Produção de veículos sobe 18,1% em março ante março de 2016, diz Anfavea

Foram 234.746 unidades fabricadas no terceiro mês do ano, o maior volume desde março de 2015

Comentar
Compartilhar
06 ABR 2017Por Estadão Conteúdo19h30
Produção de veículos sobe 18,1% em março ante março de 2016Produção de veículos sobe 18,1% em março ante março de 2016Foto: Agência Brasil

A produção de veículos no Brasil cresceu 18,1% em março deste ano ante igual mês do ano passado, o quinto crescimento seguido neste tipo de comparação, mostram dados divulgados nesta quinta-feira, 6, pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). Foram 234.746 unidades fabricadas no terceiro mês do ano, o maior volume desde março de 2015, em soma que considera automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus.

Em relação a fevereiro, o avanço foi de 17,1%. No acumulado de janeiro a março, 609.844 unidades saíram das fábricas, alta de 24% sobre o resultado alcançado em igual intervalo de 2016.

Segmentos

Por segmento, os automóveis e comerciais leves, juntos, somaram 227.108 unidades montadas em março, expansão de 18,6% em relação a março do ano passado e crescimento de 17,2% ante o volume do mês anterior. No acumulado do ano, o avanço é de 24,9%, para 589 983 unidades.

Entre os pesados, foram 5.952 caminhões produzidos no mês passado, alta de 5,1% ante igual mês de 2016 e expansão de 12% sobre o volume de fevereiro. O segmento acumula avanço de 4% no ano até março, para 15.748 unidades.

No caso dos ônibus, as montadoras produziram 1.686 unidades no terceiro mês de 2017, crescimento de 1,9% sobre o resultado de igual mês do ano passado e de 24,2% em relação a fevereiro. No ano, no entanto, o segmento acumula baixa de 5,2%, para 4.113 unidades.

Demissões

Apesar da alta na produção total, as demissões continuam nas montadoras. Só em março, 491 vagas de emprego foram eliminadas. Considerando os últimos 12 meses, são 7.717 vagas a menos. Com isso, a indústria conta atualmente com 121.048 funcionários, recuo de 6% em relação ao nível de março do ano passado.

Vendas

A venda de veículos novos no Brasil alcançou 189.149 unidades em março, alta de 5,5% em comparação com igual mês do ano passado e crescimento de 39,4% sobre o resultado de fevereiro, informou a Anfavea. No acumulado do ano, no entanto, o mercado cai 1,9% em relação a igual período do ano anterior, para 472.035 unidades.

Os segmentos de automóveis e comerciais leves, juntos, somaram 184.188 vendas em março, expansão de 6,2% em relação a março de 2016 e de 38,9% ante o volume do mês anterior. Mesmo assim, os emplacamentos destes dois segmentos acumulam, de janeiro a março, recuo de 1,1% sobre igual intervalo do ano passado, para 460.581 unidades.

Entre os pesados, foram 4.104 caminhões vendidos no terceiro mês do ano, baixa de 15,3% ante igual mês do ano passado, mas crescimento de 57% sobre o resultado de fevereiro. No acumulado do ano, o segmento acumula retração de 26,3%, para 9.665 unidades.

No caso dos ônibus, as montadoras venderam 857 unidades em março, queda de 13,2% sobre o resultado de igual mês do ano passado, mas alta de 100,2% em relação a fevereiro. A queda no acumulado do ano é de 34,2%, para 1.789 unidades.

Exportações

As exportações em valores de veículos e máquinas agrícolas somaram US$ 1,330 bilhão em março, alta de 57,4% na comparação com março do ano passado e de 11,3% ante fevereiro. No acumulado do ano, o avanço é de 51,5% sobre igual período de 2016, para US$ 3,343 bilhões.

Em volume, no terceiro mês do ano, foram exportadas 68.482 unidades de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus, o que representa expansão de 64,6% na comparação com março do ano passado e crescimento de 3,3% ante fevereiro. No acumulado do ano, o avanço é de 69,7% sobre igual período de 2016, para 172 693 unidades.

Estoques

Os pátios das montadoras e das concessionárias terminaram março com 218,6 mil veículos à espera de um comprador. O estoque é suficiente para 35 dias de venda, considerando o ritmo do mercado em março. Um mês antes, o número de veículos encalhados era menor, com 205,5 mil unidades, suficiente para 33 dias de vendas, também considerando o ritmo de março. Segundo a Anfavea, o ideal é que os estoques sustentem cerca de 30 dias de vendas.