X
Economia

Procon responde se é legal vender pele de frango no país após indignação nas redes

O diretor executivo do Procon-SP, Guilherme Farid, afirma que a venda não fere o código do consumidor, desde que seguidas as regras sanitárias

Pele de frango / Twitter/Reprodução

 A imagem de uma bandeja de pele de frango, vendida a R $2,99 o quilo em um supermercado, provocou indignação nas redes sociais na última semana. Consumidores atribuíram o fato à política econômica do país, que estaria provocando a miséria da população e favorecendo a prática. Mas vender pele de frango é ilegal?

O diretor executivo do Procon-SP, Guilherme Farid, afirma que a venda não fere o código do consumidor, desde que seguidas as regras sanitárias. Mas diz que como o produto sempre foi considerado um descarte, ele deveria ser doado e não vendido.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

"Sob a perspectiva do direito do consumidor, a empresa tem liberdade para vender o que quiser dentro da sua categoria. Então, em tese, pode vender só a pele de frango", afirma.

Para isso, segundo ele, o estabelecimento precisa levar alguns fatores em consideração. "Primeiro é preciso observar se a pele, daquele modo que está sendo vendida, atende aos requisitos sanitários, se tem um tratamento adequado, o manejo, armazenagem, temperatura correta para evitar riscos à saúde, mas isso cabe à vigilância sanitária avaliar se as regras estão sendo cumpridas".

Embora a prática não seja ilegal, casos como esse acendem o debate de que não é apenas a lei que deve ser observada, mas também a situação degradante do consumo de alguns produtos, que antes tinha como destino o lixo ou até a doação, afirma o diretor do Procon.

"Superada a questão técnica sanitária, chega a ser aviltante e desnecessário agir deste modo em busca do lucro até o último centavo. Não tem como fechar os olhos para essa situação no momento que o país atravessa", afirma Farid. Ele recomenda que o estabelecimento faça a doação, ao invés da venda do produto nessas condições.

Nas redes sociais, a foto levantou debate e gerou indignação. Uma pessoa escreveu que era "inacreditável", outra afirmou que "o fundo do poço já é real". Outra ironizou, dizendo que "o Brasil está decolando".

O QUE DIZEM A EMPRESA E O SUPERMERCADO

Nas imagens compartilhadas nas redes, é possível ver o adesivo da empresa Kajoly Alimentos.

Procurada pela reportagem, ela informou que nunca comercializou pele de frango, e que a etiqueta da marca foi utilizada erroneamente na manipulação do produto do supermercado Faé, de Vila Velha (ES).

Ainda segundo a Kajoly, a venda de pele postada nas redes sociais foi feita pelo supermercado, e não pela agroindústria. A empresa produtora da carne de frango advertiu o supermercado sobre a situação, e o produto já foi retirado das gôndolas.

Mesmo sem comercializar o produto, a empresa reforça que a venda de itens como sambiquira, pé, pescoço e pele são feitas e permitidas.

"Prezamos pela alimentação e nutrição de valor ao ser humano. Produzimos cortes e fornecemos serviços de qualidade que tornam tal premissa verdadeira", afirmou a head de marketing Kajory Alimentos, Joanna Goastico.

A ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal) e a Aves (Associação dos Avicultores do Espírito Santo) informaram que a situação é pontual, e não se trata de uma prática recorrente. Afirmam ainda que, embora a venda de pele de frango seja incomum no Brasil, o consumo do produto é seguro.
A reportagem entrou em contato com o supermercado Faé, e não houve retorno até a publicação desta matéria.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

CRIME NO TRIBUNAL

'Estava pelado e se masturbando', veja denúncias de assédio contra juiz de SP

Dez mulheres afirmam ter sido assediadas por Marcos Scalercio entre 2014 e 2020

ULTRAMARATONA

Paulista que impressionou Stan Lee agora quer superar a Capadócia

Ultramaratonista Carlos Dias já percorreu os pontos mais extremos do mundo, impressionou até Stan Lee e agora quer novos desafios

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software