País registra em 2013 maior saída de dólares em 11 anos

Segundo o Banco Central, a saída de dinheiro para o exterior superou a entrada em US$ 12,26 bilhões no ano passado

Comentar
Compartilhar
08 JAN 201421h16

O Brasil registrou em 2013 a maior fuga de dólares do País em 11 anos, desde o último ano do governo Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Segundo o Banco Central, a saída de dinheiro para o exterior superou a entrada em US$ 12,26 bilhões no ano passado. Em 2002, a perda foi de quase US$ 13 bilhões. Esse resultado negativo é um dos fatores que explicam a desvalorização do real nos dois períodos.

Em 2013, o dólar subiu mais de 15%. Para segurar a alta, o governo injetou no mercado cerca de US$ 100 bilhões, por meio de contratos de câmbio e empréstimos feitos com recursos das reservas internacionais.

Para isso, lançou um programa de intervenções diárias no câmbio, política que foi criada justamente em 2002 e batizada na época como "ração diária". Para 2014, a previsão do mercado financeiro é de uma alta um pouco menor do dólar, cerca de 4%, para R$ 2,45, de acordo com os bancos e consultorias ouvidos pela pesquisa Focus, do Banco Central.

O Brasil registrou em 2013 a maior fuga de dólares do País em 11 anos (Foto: Divulgação)

Conta financeira

O resultado negativo foi afetado pelo forte déficit na conta financeira - por onde passam os investimentos estrangeiros em produção e em aplicações financeiras - de US$ 23,396 bilhões. Já a conta comercial registrou entrada líquida de US$ 11,136 bilhões, segundo o Banco Central.

O gerente de câmbio da Treviso Corretora, Reginaldo Galhardo, disse que a perspectiva para este ano é de mais saída de dólares "A gente sabe que, com a mudança na política monetária dos Estados Unidos, haverá muito repatriamento de dólar, não só do Brasil, mas dos países emergentes em geral", afirmou. "Não tem notícia boa que possa ajudar a manter a moeda em torno de R$ 2,30 ou R$ 2,35." Galhardo disse que pesam ainda, no caso brasileiro, os receios com o efeito de um possível rebaixamento da nota de risco do País sobre o câmbio e a expectativa de piora nos indicadores econômicos domésticos.

Durante os últimos 11 anos, o Brasil só registrou saldo negativo nas operações cambiais em 2008, quando a quebra do banco Lehman Brothers contribuiu para uma saída de US$ 983 milhões. Naquele ano, a perda de dólares no segmento financeiro foi de quase US$ 50 bilhões, praticamente o dobro do verificado em 2013. Esse número inclui investimentos estrangeiros, remessas de lucro e pagamento de juros da dívida externa.

A forte entrada de dinheiro no comércio exterior, no entanto, quase equilibrou a conta. Desta vez, embora a perda financeira tenha sido 52% menor que em 2008, o resultado do comércio exterior teve queda de 77%.

Dezembro. No ano passado, a saída de dólares superou a entrada em oito meses. No mês passado, o saldo das operações cambiais ficou negativo em US$ 8,8 bilhões, pior dezembro da série histórica iniciada em 1982 e a maior saída mensal desde setembro de 1998, quando o resultado foi negativo em US$ 18,9 bilhões.

O Banco Central informou ainda que os empréstimos de dólares das reservas internacionais no ano passado somaram US$ 17 bilhões, maior valor da história.