Nível do juro real é baixo e tende a estimular economia

Segundo Ilan Goldfajn, a forte queda da inflação observada nos últimos 12 meses permitiu que o Brasil chegasse a um patamar de juros historicamente baixo

Comentar
Compartilhar
17 OUT 2017Por Da Reportagem11h29

O presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, afirmou, em evento em São Paulo, que a forte queda da inflação observada nos últimos 12 meses permitiu que o Brasil chegasse a um patamar de juros historicamente baixo, que tende a estimular a economia. "Desde o início da desaceleração da inflação, já reduzimos a Selic em 6 pontos porcentuais. E a expectativa do mercado é de continuidade da queda. Já vemos uma redução das taxas bancárias, do spread bancário", diz, ponderando que ainda é pequena essa redução dos spreads.

A Selic atualmente está em 8,25% ao ano e Ilan mencionou que o juro real está em torno de 3,0%. Contudo, ele voltou a frisar que, para que os juros permaneçam em patamar historicamente baixo, é preciso que sejam aprovadas as reformas estruturais. "Temos que insistir na reforma da Previdência", reiterou.

Ele voltou a afirmar que observa-se atualmente os primeiros sinais de recuperação da economia, mas ponderou que, para um crescimento forte, é preciso aumento dos investimentos.

Ilan mostrou-se otimista sobre a perspectiva de retorno de investimentos, com investimentos de empresas, por causa da depreciação dos últimos anos, e em infraestrutura.

O presidente do BC disse ainda que há esforço relevante do governo na agenda de infraestrutura. "A utilização da capacidade e programas de infraestrutura vão ajudar o segundo passo da recuperação, que é o investimento. O primeiro passo foi o consumo. O setor externo já vem ajudando na economia há bastante tempo, mas tem participação pequena na economia brasileira", disse.

Ele também voltou a mencionar os resultados favoráveis dos últimos leilões promovidos pelo governo. "Concessões reforçam sinais de que a condução da economia já mostra resultados", afirmou.

 

Colunas

Contraponto