X
Economia

Inflação volta a subir menos para famílias de menor renda

Com o resultado de novembro, mais uma vez a inflação para as famílias de menor renda – que ganham de um a cinco salários – fecha com alta menor do que a das famílias de maior renda

Inflação pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor registrou em novembro 0,18%, 0,1 ponto percentual inferior ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (0,28%) / Agência Brasil

A inflação - medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) - encerrou novembro com alta de 0,18%, resultado 0,1 ponto percentual inferior ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que fechou o mês em 0,28%.

Os dados foram divulgados hoje (8), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Com o resultado de novembro, mais uma vez a inflação para as famílias de menor renda – que ganham de um a cinco salários – fecha com alta menor do que a das famílias de maior renda – de um a 40 salários.

Em novembro, o INPC ficou 0,19 ponto percentual abaixo do resultado de outubro (0,37%). No acumulado no ano, o INPC é de 1,8%, inferior aos 6,43% de igual período de 2016 e o menor resultado acumulado para o período desde a implantação do Plano Real, em 1994.

No acumulado dos últimos 12 meses a taxa ficou em 1,95%, acima do registrado nos 12 meses imediatamente anteriores (1,83%). Em novembro de 2016, o INPC foi de 0,07%.

Tanto no resultado de janeiro a novembro deste ano, como no acumulado dos últimos 12 meses, a inflação para as famílias de menor renda ficou menor do que a taxa para as famílias que ganham mais. Segundo os números do IBGE, o acumulado do ano, por exemplo, ficou 0,7 ponto percentual menor do que os 2,25% relativos ao IPCA – a inflação oficial do país.

Preços dos alimentos caem

Assim como em relação à variação dos preços da inflação oficial, também os preços do INPC foram pressionados para baixo pela variação dos produtos alimentícios, que fecharam o mês com deflação de 0,54%, caindo ainda mais do que em outubro (-0,11%).

Os não alimentícios variaram 0,49%, uma alta também menor que a do mês anterior (0,58%).

Entre as regiões metropolitanas e municípios pesquisados, Salvador (-0,36%) teve a maior queda, com destaque para a farinha de mandioca (-12,24%) e o feijão carioca (-25,37%). Goiânia acusou a maior alta (0,98%), impulsionada pela energia elétrica (14,84%) e pela gasolina, em média 5,03% mais cara.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Câmera registra 1º caso de PMs de SP matando suspeito desarmado

Existem ainda outros dois casos semelhantes em andamento sendo analisados, mas ainda sem conclusão

Santos

Gran Bazar edição de Natal acontece neste fim de semana em Santos 

Encontro de empreendedores irá contar com atrações para crianças e adultos neste sábado (4) e domingo (5)

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software