Guarujá participa de inauguração do Brasil Terminal Portuário (BTP)

A capacidade de movimentação anual é de 1,2 milhão de TEUs (quantidade equivalente a um contêiner de 20 metros) e 1,4 milhão de toneladas de granéis líquidos

Comentar
Compartilhar
02 DEZ 201316h33

A prefeita de Guarujá, Maria Antonieta de Brito, participou da solenidade de inauguração do Brasil Terminal Portuário (BTP), na manhã de quinta-feira (28), em Santos. O novo terminal multiuso foi instalado numa área de 490 mil m², onde funcionou o antigo lixão da Alemoa em área portuária. Na oportunidade, o ministro dos Portos, Antônio Henrique Silveira, ressaltou que estuda a unificação de todas as dragagens do estuário da Baixada Santista, com um projeto de aprofundamento do canal (calado) para até 17 metros, garantindo a entrada de navios de maior porte.

Após o aprofundamento, com a futura dragagem, o terminal terá capacidade para receber até três embarcações simultaneamente. “Hoje, o Porto tem um ambiente competitivo extremamente saudável. Porto é, por definição, uma Parceria-Público-Privada. A Cidade depende do Porto e o Porto da Cidade. É importante os governos interagirem com a sociedade para planejar a evolução portuária. Quero parabenizar a atuação da prefeita de Guarujá e de Santos neste sentido. Temos conversado bastante com os municípios, particularmente com Santos e Guarujá, na busca de entendimentos, para as duas cidades”, enfatizou o ministro.

O diretor-presidente da BTP, Henry Robinson, expôs que há sete anos o novo terminal seria apenas um sonho. “Agora temos um projeto desse porte, capaz de compartilhar uma visão de futuro. Em 2007, após obter as licenças da Cetesb, realizamos o maior projeto de recuperação ambiental na área portuária. Como sonhar apenas não nos traria para o dia de hoje, nós precisamos trabalhar muito. Temos o desafio de fazer cada vez melhor e ajudar a construir um país onde haja oportunidade para todos”, ilustrou Henry Robinson.

O projeto foi concebido em 2007, na área onde funcionou o lixão da Alemoa. O território passou por um processo de revitalização e tem entre os seus acionistas os grupos Terminal Investment Limited (TIL) e a APM Terminals, operam 98 terminais em vários países. O investimento realizado na BTP é de R$ 2 bilhões até este ano.

A capacidade de movimentação anual é de 1,2 milhão de TEUs (quantidade equivalente a um contêiner de 20 metros) e 1,4 milhão de toneladas de granéis líquidos. Com o novo terminal, a BTP tem previsão de aumentar a capacidade do complexo portuário da Baixada Santista em 40%. Para o presidente da Codesp, Renato Barco, “hoje é um dia histórico. Uma área degradada foi recuperada e hoje o Porto conta com mais de um terminal desta magnitude. São terminais como estes que vão fazer com que o Porto tenha capacidade de aumentar em mais de três vezes sua movimentação até 2024”, disse.

O evento contou ainda com a participação do chief executive officer da APM Terminals, Kim Fejfer. Ele ressaltou que veio do Leste Europeu e que enxergou no Brasil um potencial de crescimento, mas com necessidade de investimento em infraestrutura. “Precisávamos colaborar com importadores e exportadores e hoje é um momento de muito orgulho para todos nós. Este é um grande alcance para o Porto e o Brasil em sua totalidade, facilitando o comércio exterior. Há dez anos a capacidade do Porto era de receber embarcações de 3 mil contêineres e agora poderá receber de até 9 mil contêineres, além de gerar milhares de empregos”, disse Kim Fejfer.

Na ocasião, Antonieta estava acompanhada dos secretários municipais Adilson Luiz de Jesus (Desenvolvimento Econômico e Portuário), Elio Lopes (Meio Ambiente), Adilson Cabral (adjunto de Desenvolvimento Tecnológico e Logístico) e o diretor de Assuntos Portuário, Industrial e Logístico, Ribamar Brandão.