X
Economia

Governo avalia compensação para aumento do botijão, diz Temer

No ano passado, o preço do botijão teve a maior alta desde 2002. O preço médio em dezembro chegou a R$ 66,53

O presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira (09) que estuda uma maneira de compensar o aumento do preço dos botijões de gás para a população mais pobre / Pedro Ventura/Agência Brasília

O presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira (09) que estuda uma maneira de compensar o aumento do preço dos botijões de gás para a população mais pobre.

Em entrevista à Rádio Guaíba, do Rio Grande do Sul, ele afirmou que um anúncio será feito nos próximos dias, mas não deu mais detalhes sobre a iniciativa.

No ano passado, o preço do botijão teve a maior alta desde 2002. O preço médio em dezembro chegou a R$ 66,53, alta de 16,39% em relação ao mesmo mês do ano anterior.

O emedebista ressaltou que é necessário fazer algo, uma vez que as famílias mais carentes são as mais afetadas pelo encarecimento do botijão.

O presidente reafirmou ainda que pedirá ao Cade e à Polícia Federal para investigarem por que o corte no preço da gasolina não está chegando nas bombas dos postos de gasolina.

Ele chamou de "agressão ao consumidor" os valores que estão sendo repassados ao consumidor final em todo o país.

Na quinta-feira (8), o ministro da Secretaria-Geral, Moreira Franco, anunciou que será deflagrada uma operação para apurar se postos e distribuidores tem atuado em esquema de cartel.

A Petrobras anunciou um corte de 3% no preço da gasolina o maior desde o dia 17 de novembro. O valor do diesel também será reduzido, em 2,6%, a maior queda desde 02 de dezembro.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Crime

Câmera registra momento em que empresário é baleado pela esposa; veja o vídeo

Imagens de câmeras de segurança mostram uma discussão entre ela e o marido na frente da residência do casal

Eleições 2022

Para aliados de Lula e Alckmin, Moro e Ciro atacam chapa em tática contra afunilamento

Pesquisa Datafolha de dezembro mostrou chance de Lula vencer no primeiro turno. O ex-presidente alcançou 48%, seguido de Jair Bolsonaro (PL), com 22%, Moro (9%) e Ciro (7%)

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software