Gastos com cartão de crédito aumentam mais de 35% no mês de dezembro

Estudo da Transunion confirma elevação no gasto nos últimos meses do ano nos Estados Unidos. Brasil acompanha tendência

Comentar
Compartilhar
25 NOV 201315h17

Estudo publicado recentemente nos Estados Unidos pela Transunion confirmou a tendência de um gasto elevado por parte do consumidor nos meses que antecedem as festas de fim de ano. Contudo, ao contrário do que se imaginava, o gasto é concentrado a partir do mês de dezembro, e não em novembro, como era imaginado.

Segundo a análise, os gastos no mês de dezembro se elevam em 37,5% acima da média do ano no comércio americano, uma elevação substancial em relação ao mês de novembro, que tem 5,1% maiores. A variação no mês de outubro é quase nula, em 0,1%. O estudo também indicou que no mês de dezembro 20% dos consumidores gastam o dobro de sua média mensal. Os números indicam que as promoções do comércio a partir do mês de novembro tem um efeito menor no consumidor do que aquele imaginado.

Os gastos com o cartão de crédito aumentam mais de 35% no mês de dezembro (Foto: Divulgação)

Segundo Juarez Zortea, presidente Transunion no Brasil, o perfil do consumidor brasileiro não é diferente. “Embora o país ainda não tenha o costume de promoções de fim de ano em outubro e novembro, já percebe-se um aumento nas vendas a partir destes dois meses, fruto de um planejamento para as festas de fim de ano. Contudo, a elevação maior ocorre a partir de dezembro, que tem o gastos no cartão de crédito acima da média dos meses no ano.”

Ainda segundo Zortea, a principal diferença no perfil do consumidor americano para o brasileiro, é na forma de pagamento. No Brasil o parcelamento no cartão de crédito ainda é uma das opções mais populares, mesmo tendo lados positivos e negativos. “A facilidade do parcelamento permite o acesso a bens mais caros, que o consumidor não teria condições de adquirir à vista. No entanto, ele pode se tornar uma bola de neve, caso não haja o cuidado de calibrar as parcelas mensais para que o saldo devedor não vire uma bola de neve.”