Faturamento do varejo na Baixada recua 10,1%

Eletroeletrônicos e concessionárias puxaram receita mensal para baixo

Comentar
Compartilhar
13 NOV 201410h46

O comércio varejista do Baixada Santista registrou faturamento de R$ 1,4 bilhão em agosto de 2014, número 10,1% inferior ao apurado no mesmo mês do ano anterior. Já no acumulado do ano a receita apresenta queda de 3,8%. O resultado consta na Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (PCCV), apresentada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) com dados da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz).As maiores quedas foram observadas nas lojas de eletrodomésticos e eletrônicos (-63,3%) e móveis e decorações (-28,2%), com receitas de R$ 39,9 milhões e R$ 4,6 milhões, respectivamente.

Os três setores com maior representatividade também apresentaram queda no faturamento. O segmento de supermercados registrou recuo de 5,1% (com receita de R$ 507,5 milhões); o de outras atividades do comércio em geral teve redução de 7,8% (e receita de R$ 294,5 milhões); e o de concessionárias de veículos caiu 18,5% (com faturamento de R$ 186,8 milhões).
Já os setores que mais contribuíram positivamente para a receita na região foram as lojas de departamentos, com aumento de 13,2% nas vendas, e materiais de construção, com elevação de 11,2%, em relação a agosto de 2013.

As lojas de eletrodomésticos e eletrônicos tiveram uma diminuição de 63,3% no faturamento (Foto: Matheus Tagé/DL)

Desempenho estadual

As vendas do varejo paulista recuaram 9,9% em agosto em comparação com o mesmo mês do ano passado, e registraram uma receita real de R$ 43,2 bilhões no mês. É a sexta queda de faturamento consecutiva, a maior do ano, nesta mesma base de comparação. As informações fazem parte da Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV), realizada mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP), segundo informações da Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz).

Com esse novo recuo, o índice de queda acumulado no ano passou de 1,2%, até julho, para 2,4%, nos oito meses de 2014.

Nota metodológica

A Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista no Estado de São Paulo (PCCV) utiliza dados da receita mensal informada pelas empresas varejistas ao governo paulista por meio de um convênio de cooperação técnica firmado entre a Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz) e a FecomercioSP.

As informações, segmentadas em 16 Delegacias Regionais Tributárias da Secretaria, englobam todos os municípios paulistas e dez setores (autopeças e acessórios; concessionárias de veículos; farmácias e perfumarias; lojas de departamentos; lojas de eletrodomésticos e eletrônicos; lojas de móveis e decoração; lojas de vestuário, tecidos e calçados; materiais de construção; supermercados; e outras atividades).

Os dados brutos são tratados tecnicamente de forma a se apurar o valor real das vendas em cada atividade e o seu volume total em cada região. Após a consolidação dessas informações, são obtidos os resultados de desempenho de todo o Estado.

Colunas

Contraponto