Estratégia é parar de levar gol, diz Meirelles sobre medidas econômicas

Ele não quis indicar quando o país deve voltar a crescer

Comentar
Compartilhar
30 MAI 2016Por Folhapress15h00
Estratégia é parar de levar gol, diz Meirelles sobre medidas econômicasEstratégia é parar de levar gol, diz Meirelles sobre medidas econômicasFoto: Agência Brasil

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse nesta segunda-feira (30) que o objetivo das medidas de redução de despesas anunciadas pelo governo é fazer o país parar de tomar gols para dar segurança aos jogadores de ataque -ou seja, as forças produtivas e os consumidores. Ele não quis indicar quando o país deve voltar a crescer.

"A raiz da crise foi a desconfiança, o meio de campo e o ataque ficaram muito inseguros", disse ele durante evento em São Paulo. Ele respondia a uma pergunta do ex-ministro Luiz Fernando Furlan, do governo Lula, sobre se não estava faltando estratégia de ataque, ou seja, de crescimento, nas medidas.

"A estratégia em última análise é fazer gol, mas, como a trajetória dos bons times de futebol e também de seleções mostra, você começa não levando gol, se o time está com a defesa furada, digamos assim, não tem estratégia de ataque."

Meirelles apresentou, durante encontro com empresários promovido pela Câmara de Comércio Brasil-França, as medidas anunciadas pelo governo na semana passada, previstas em uma PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que deve ser finalizada em cerca de duas semanas para ser discutida com o presidente interino, segundo ele.

Ele afirmou que os cálculos que geraram as medidas foram feitos com "rigor e realismo", uma forma de dar mais confiança ao mercado.

Uma das medidas previstas é o estabelecimento de um teto para os gastos públicos, que devem crescer apenas segundo o índice de inflação do ano anterior, o que incluiria as despesas com educação e saúde, que hoje são vinculadas à receita da União, com taxas fixas.

Questionado sobre opções do governo para aumentar a receita, como a volta da CPMF, o ministro disse que o foco agora está nas medidas de contenção de gastos e em seu efeito para a economia e a arrecadação de impostos e também em ações como a venda de ativos do governo para fazer caixa.

"Evidentemente que nunca se pode descartar eventuais aumentos de impostos que sejam transitórios, já que a carga tributária bruta do Brasil já é elevada", afirmou ele.

O ministro não quis indicar quando considera que o país vai voltar a índices positivos de evolução do PIB. "O crescimento deverá voltar a acontecer nos próximos trimestres. É um erro tentar fixar datas para algo que depende da conjunção de muitos fatores."