Dólar recua para R$ 3,47 com cenário externo positivo; Bolsa sobe

As Bolsas internacionais operam com ganhos, assim como o Ibovespa

Comentar
Compartilhar
07 JUN 2016Por Folhapress14h30
Dólar recua para R$ 3,47 com cenário externo positivo; Bolsa sobeDólar recua para R$ 3,47 com cenário externo positivo; Bolsa sobeFoto: Divulgação

Os mercados globais seguem reagindo ao discurso da presidente do Fed (Federal Reserve, o banco central americano), Janet Yellen, que sinalizou nesta segunda-feira (6) que o aumento dos juros nos EUA não deverá ocorrer neste mês.

Com isso, o dólar se desvaloriza frente à maior parte das moedas nesta terça-feira (7), inclusive o real, sendo negociado na casa dos R$ 3,47. O avanço dos preços do petróleo e do minério de ferro impulsiona o movimento.

As Bolsas internacionais operam com ganhos, assim como o Ibovespa.

Os investidores também estão atentos aos desdobramentos no cenário político. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao STF (Supremo Tribunal Federal) pedido de prisão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), do senador Romero Jucá (PMDB-RR), ex-presidente da República José Sarney (PMDB-AP) e do deputado afastado da Câmara Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

É a primeira vez que a Procuradoria Geral da República pede a prisão de um presidente do Congresso e de um ex-presidente da República. Por enquanto, não há previsão para que o STF decida sobre os pedidos de prisão.

Segundo analistas, apesar do cenário político tumultuado, o cenário externo se sobrepõe ao interno nesta terça-feira.

CÂMBIO E JUROS

A moeda americana à vista, referência no mercado financeiro, recuava há pouco 0,90%, para R$ 3,470. O dólar comercial, utilizado em contratos de comércio exterior, perdia 0,60%, a R$ 3,470.

Na véspera da definição do novo patamar da taxa básica de juros (Selic) pelo Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), os juros futuros estão em alta. O contrato de DI para janeiro de 2017 subia de 13,565% para 13,590%; o contrato de DI para janeiro de 2021 avançava de 12,310% para 12,360%.

As expectativas do mercado é de manutenção da Selic em 14,25% ao ano.

O presidente indicado para a presidência do BC, Ilan Goldfajn, está sendo sabatinado pelo Senado nesta terça-feira, e não participa desta reunião de política monetária do Copom.

O CDS (credit default swap), espécie de seguro contra calote e indicador de percepção de risco, subia mais cedo, mas virou e passou a cair. Há pouco, perdia 0,54%, aos 328,718 pontos.

BOLSA

O Ibovespa iniciou a sessão em baixa, mas inverteu o sinal e subia há pouco 0,30%, aos 50.584 pontos. A expectativa, no entanto, é de que se repitam os baixos giros financeiros vistos nas últimas sessões, o que reflete o clima de cautela entre investidores.

As ações da Petrobras ganhavam 2,48%, a R$ 8,67 (PN) e 3,79%, a R$ 11,21 (ON), beneficiadas pelo avanço do petróleo no mercado internacional. A commodity é negociada acima de US$ 50, nos maiores níveis desde outubro do ano passado.

Os papéis da Vale subiam 1,30%, a R$ 13,18 (PNA) e 0,76%, a R$ 17,02 (ON). O minério de ferro entregue em Qingdao, na China, subiu 2,80% nesta terça-feira, para US$ 52,54 a tonelada.

No setor financeiro, Itaú Unibanco PN ganhava 1,08%; Bradesco PN, +1,04%; Banco do Brasil ON, +1,51%; Santander unit, -0,05%; e BM&FBovespa ON, -0,30%.

Na Bolsa de Nova York, o índice S&P 500 avançava 0,26%; o Dow Jones, +0,43%; e o Nasdaq, +0,09%.

Na Europa, as Bolsas também avançam. Na Ásia, a maior parte dos índices acionários encerrou o pregão no campo positivo.