Documentos revelam dramática redução dos estoques pesqueiros em mares e oceanos

Diante deste fato, as cotas para captura do peixe no Mar de Barents foram reduzidas para 2018

Comentar
Compartilhar
19 NOV 2017Por Da Reportagem11h30
Pesca do bacalhau no Alasca caiu aos níveis mais baixos em décadasFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Relatórios de organismos internacionais indicam que a pesca do bacalhau no Alasca caiu aos níveis mais baixos em décadas. Diante deste fato, as cotas para captura do peixe no Mar de Barents foram reduzidas para 2018. Enquanto isso, os Estados Unidos contabilizam a menor coleta de mariscos em 40 anos. Mais: pesquisadores da Associação Escocesa de Ciências Marinhas chegaram à conclusão que bacalhau, arenque e arinca podem desaparecer da costa oeste da Escócia devido ao aquecimento global.

Em reunião realizada em outubro, no Caribe, cientistas recomendaram que os países da região proíbam a remoção de barbatanas de tubarão no mar. Os especialistas também recomendaram a proibição da pesca de espécies como o tubarão-baleia, o peixe-cebola e a raia-manta, e exigiram que capturas acidentais dessas espécies devem ser devolvidas ao mar sem demora.

As recomendações foram feitas pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO). A preocupação se justifica pelo rápido declínio dos estoques desses animais no mar do Caribe devido principalmente à sobrepesca das espécies consumidas pelos tubarões.

Trabalho conjunto da ong WWF com a The Boston Consulting Group concluiu que 80% das espécies estão ameaçadas no Mar Mediterrâneo pela sobrepesca, que é a captura acima da capacidade natural das espécies de recompor suas populações. Cerca de 132 mil tartarugas são capturadas todo ano de forma acessória na coleta de outras espécies de interesse comercial.

Ainda segundo o WWF, nos últimos 50 anos o Mediterrâneo perdeu 41% dos mamíferos marinhos e 34% da população total de peixes. Mais: 53% das espécies de tubarão existentes na região estão em risco de extinção local.

Na contramão, a Rússia apresentou recente estudo sugerindo que a pesca oceânica pode duplicar em volume nos próximos anos e propôs um grupo internacional de cientistas para avaliar a tese. E a China vai destruir 245 barcos só em Shandong para conter a pesca litorânea, super explorada por redes de arrasto, terríveis para a fauna marinha, mas incentiva a construção de barcos pesqueiros capazes de navegar em águas internacionais...

Menos sofrimento animal...
O governo se comprometeu a apresentar laudo da estatal Embrapa e da USP que comprova a capacidade dos frigoríficos brasileiros de praticar o abate de frangos e bovinos através do método halal, que reduz sofrimento de animais.

...para atender muçulmanos
O compromisso foi assumido no último final de semana perante lideranças da comunidade muçulmana durante o primeiro congresso halal do Brasil, prestigiado por representantes da Congregação Fikh, entidade presente em 50 países. A meta do governo é exportar mais carne para o Oriente Médio.

Tem caroço de manga...
Após três anos de estudo, cientistas da estatal Embrapa e da Universidade Federal do RJ criaram um plástico biodegradável feito com caroço de manga misturado com um biopolímero natural.

...na Medicina!
O novo plástico poderá ser usado como embalagem e até na Medicina para compor proteses ósseas. Segundo o IBGE, o Brasil produz um milhão de toneladas de manga/ano, sendo que até 60% desse volume são caroços.

A poesia na matemática...
Cientistas ligados ao Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências da USP acabam de promover uma revolução em conceitos fundamentais da Física através da reformulação do “paradoxo fundamental da dinâmica estelar”.

...e os segredos das estrelas
Utilizando a matemática e supercomputadores, os brasileiros revisaram a Equação de Vlasov, teoria aceita nos meios científicos desde 1931. No estudo publicado agora no ‘The Astrophysical Journal’, os pesquisadores ligados à USP elucidaram detalhes fundamentais sobre a formação e a distribuição gravitacional das galáxias e dos aglomerados de estrelas.