Copa do Mundo deve gerar faturamento de R$ 1,8 bi para supermercados

Cervejas, refrigerantes e industrializados de carne são as principais categorias que terão o consumo em alta

Comentar
Compartilhar
07 MAI 201419h31

Toda a cadeia supermercadista está otimista com relação ao desempenho do setor na época da Copa do Mundo de 2014. O evento deve adicionar R$ 1,8 bilhão só no período do evento, segundo estudo feito pela Nielsen e Kantar Worldpanel e lançado pela a Associação Paulista de Supermercados (APAS) durante o 30º Congresso e Feira de Negócios em Supermercados.

Cervejas, refrigerantes e industrializados de carne são as principais categorias que terão o consumo em alta. O principal produto a ser consumido é o churrasco; entre as bebidas, mulheres optam por refrigerantes e homens pela cerveja. De acordo com os dados, 70% dos consumidores preferem ver as partidas acompanhados, 56% em casa e 88% comem e bebem na ocasião.

No último mundial de futebol, realizado na África do Sul, o consumo de cerveja no Brasil cresceu 15%, gerando um faturamento de R$ 970 milhões. Em 2014 o consumo deve saltar para 37%. Já a perspectiva para o ano todo, a entidade prevê que o faturamento do setor no Estado de São Paulo atinja R$ 92 bilhões neste ano, um crescimento nominal de 15% em relação a 2013.

"A projeção de crescimento no estado de São Paulo é um faturamento de R$ 92 bilhões com 17 mil lojas e criação de 25 mil empregos", disse Galassi.

A cadeia supermercadista está otimista com relação ao desempenho do setor na época da Copa (Foto: Luiz Torres/DL)

Os números que indicam essa hipótese apontam que as principais categorias de impacto na Copa seguem com tendência de crescimento nos últimos dois anos. As categorias são: água mineral, bolachas, café em pó, cerveja, chocolate, drops, caramelos e pastilhas, gomas de mascar, industrializados de carnes, refrigerante, salgadinho, sobremesas prontas, suco em pó, sucos concentrados e sucos prontos.

Em 2012, esses itens apresentaram crescimento de 1,4%; em 2013 o salto foi de 2%. Os números da pesquisa apontam que 63% dos brasileiros declaram que consomem algo enquanto assistem esportes na TV. O estudo dá conta de que um lar "fã de futebol" consome, em média, 20% a mais de cerveja, por ano, que um desinteressado nessa modalidade esportiva.

"A Copa do Mundo vai ajudar o setor a reverter o cenário de dificuldades macroeconômicas", afirmou Galassi.