Confiança do comércio projeta melhora nas vendas de Natal

Após três meses consecutivos de queda, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio subiu 0,3% em relação a setembro

Comentar
Compartilhar
31 OUT 2017Por Da Reportagem11h15
9,7% de aumento no subíndice que mede as intenções de investimento do comércio em relação a outubro de 2016Foto: Matheus Tagé/DL

Os comerciantes estão otimistas com o melhor desempenho esperado para o comércio neste fim de ano. Após três meses consecutivos de queda, o Índice de Confiança do Empresário do Comércio (Icec), medido pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), subiu 0,3% em relação a setembro.

O indicador atingiu 107,2 pontos em outubro, ficando acima da zona de indiferença (100 pontos).
“O comércio está otimista com a perspectiva de melhor desempenho das vendas no fim deste ano do que nos dois anos anteriores. Além disso, a ­recuperação gradual da atividade econômica e do consumo das famílias impulsiona aos poucos as vendas do comércio”, avalia Izis Ferreira, economista da CNC.

Os preparativos para as festas de fim de ano mostram impacto positivo no subíndice que mede as intenções de investimento do comércio, que aumentou 1,1% em outubro, com ajuste sazonal. O indicador também teve alta na comparação anual (9,7%), puxado por incentivos tanto na intenção de contratar quanto na de investir no próprio negócio e em estoques.

A intenção de investimento nos estoques cresceu 3,9%, a maior taxa registrada na série histórica da variação no ano desde outubro de 2012. Na comparação mensal, com ajuste sazonal, todos os índices apresentaram crescimento pela segunda vez consecutiva: funcionários (+1,3%), estoques (+1%) e investimentos na empresa (0,8%).

Para 27,8% dos comerciantes consultados em outubro, o nível dos estoques está acima do que esperavam vender, proporção menor do que a apontada em setembro (28,5%).

No corte por grupo de atividade, os comerciantes de bens duráveis apontaram maior intenção de investir em estoques na comparação com outubro do ano passado (+5%), seguido pelos lojistas de semiduráveis (+4,9%).

A CNC também estima crescimento de 4,3% no volume de vendas do varejo, no Natal de 2017. O primeiro aumento no período desde o Natal de 2014.

O Icec detecta as tendências do setor, do ponto de vista do empresário. A amostra é composta por aproximadamente 6.000 empresas situadas em todas as capitais do País, e os índices apurados mensalmente, apresentam dispersões que variam de zero a duzentos pontos.