Commodities de marcas próprias cresceram 32,6% em abril com relação ao período de 2019

Pesquisa, em parceria com Abmapro, mostra crescimento durante a pandemia

Comentar
Compartilhar
10 JUL 2020Por Da Reportagem20h30
Marcas Próprias ampliam participação no total de bens de grande consumo (FMCG)Foto: Mehrad Vosoughi/Unsplash

O impacto da crise gerada pela COVID-19 tem feito as pessoas se adaptarem a novos padrões de consumo. No varejo, os consumidores brasileiros apostaram no abastecimento de suas despensas, mas pensando em escolhas com melhor relação custo-benefício e adequadas ao período, o que alterou a dinâmica do mercado. Uma dessas mudanças, como mostra a pesquisa da Nielsen, em parceria com a Associação Brasileira de Marcas Próprias e Terceirização (ABMAPRO), foi o aumento da procura por produtos de Marcas Próprias. Em abril deste ano, as vendas de Commodities de MP no Autosserviço cresceram 32,6%, em comparação ao mesmo período do ano passado. Variação acima da média do segmento, que cresceu 10% no mesmo intervalo.

Essa adaptação no comportamento do consumidor na hora das compras resultou no aumento da importância dos itens de MP no total do segmento de Commodities. Em abril, esses produtos responderam por 8,8% dessa cesta no Autosserviço, com faturamento de R$ 91 milhões.

Além das restrições sociais, alguns brasileiros convivem atualmente com as reduções salariais ou mesmo a perda de postos de trabalho, o que leva a decisões mais pensadas na hora de desembolsar. Diante deste cenário, as vendas totais de produtos de Marcas Próprias de bens de grande consumo (FMCG) no Autosserviço aumentaram 8,1% em abril, em relação à 2019, alta superior à registrada no total de FMCG para o período, que foi de 3,5%. Esse aumento ocorreu tanto em redes de Autosserviços regionais como em varejistas que atuam nacionalmente. Dados que reforçam o ganho de mercado para os produtos de MP no mês de abril no total das cestas. 

De acordo com Neide Montesano, presidente da ABMAPRO, “o crescimento já era esperado, já que a crise econômica fez com que muitas famílias se reorganizassem financeiramente, optando pelas MP, que chegam a custar até 30% menos”. A expectativa da entidade é que o setor cresça entre 12% e 15% até o final de 2020.

Segundo Roberto Butragueño, diretor de Atendimento do Varejo e e-commerce da Nielsen, “os consumidores mudaram seus hábitos de consumo em meio à pandemia, adaptando a nova realidade ao bolso, que está mais comprometido, e fazendo uma melhor equação entre custo e benefício. Frente às restrições e um comportamento cauteloso, as Marcas Próprias dos varejistas podem ganhar uma maior representatividade no mercado, principalmente com a venda de produtos básicos para abastecimento dos lares”. 

Com um faturamento de R$ 40 milhões em abril deste ano, o Leite Asséptico foi a categoria com maior contribuição para o crescimento do segmento de Commodities e das compras de MP em geral pelos consumidores. Uma alta de 73,7% no mês em relação ao ano passado, chegando a 10% do total de vendas da categoria no Autosserviço.