Comércio varejista tem queda de 0,2% nas vendas, indica IBGE

Na comparação com o ano anterior, o varejo recuou 3,2% no volume de vendas. Essa é a 23ª taxa negativa consecutiva

Comentar
Compartilhar
12 ABR 2017Por Folhapress19h30

O comércio varejista brasileiro registrou queda de 0,2% nas vendas em fevereiro na comparação com janeiro. Os dados são do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) e foram divulgados nesta quarta (12), no Rio de Janeiro. Apesar de negativo, o resultado não exerceu efeito sobre a média móvel que se mantém positiva pelo segundo mês seguido. Em fevereiro, ficou em 1%, enquanto em janeiro foi de 1,4%. As informações são da Agência Brasil.

Na comparação com o ano anterior, o varejo recuou 3,2% no volume de vendas. Essa é a 23ª taxa negativa consecutiva. Assim, nos dois primeiros meses do ano, o comércio varejista acumula redução de 2,2% nas vendas e queda de 5,4% na taxa acumulada nos últimos 12 meses.

Já a receita nominal de vendas apresentou em fevereiro deste ano variação de 0,4% na comparação com o mesmo período de 2016. No acumulado do ano, 2,1%. Nos últimos doze meses, 4,2%.

Segundo o IBGE, o comércio varejista ampliado, que além do varejo inclui veículos, motos, partes e peças e material de construção teve variação de 1,4% para o volume de vendas em relação ao mês anterior, na série ajustada sazonalmente, e de 1% para receita nominal de vendas. No volume de vendas, é a quarta vez consecutiva que ficou positivo. Mas quando a comparação é com fevereiro de 2016, o comércio varejista ampliado teve redução de 4,2% para o volume de vendas e de 1,7% na receita nominal de vendas. Nas taxas acumuladas, as variações para o volume de vendas foram de queda de 2,1% no ano e de 7,5% nos últimos 12 meses.

Atividades com variação positiva 

Das oito atividades pesquisadas que compõem o varejo, cinco tiveram variação positiva no volume de vendas na passagem de janeiro para fevereiro. Móveis e eletrodomésticos registraram alta de 3,8%; tecidos, vestuário e calçados, 1,5%; livros, jornais, revistas e papelarias, 1,4%; artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, perfumaria e cosméticos, 1%; e combustíveis e lubrificantes, 0,6%.

As atividades com taxas negativas foram hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo com queda de 0,5%; equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação, 1,5%; e outros artigos de uso pessoal e doméstico, 1,8%.

Os índices indicam também que as vendas recuaram em 11 das 27 Unidades da Federação pesquisadas na passagem de janeiro para fevereiro. As maiores variações negativas foram em Mato Grosso (-4,7%); Rio Grande do Sul (-4,4%) e Goiás (-4,2%).

Quando a comparação é de fevereiro deste ano com fevereiro de 2016, 21 das 27 Unidades da Federação acusaram resultado negativo. Os destaques foram Goiás (-15,0%), Tocantins (-14,9%) e Pará, (-14,0%). Os avanços nas vendas ficaram com Mato Grosso do Sul (19,1%) e Santa Catarina (10,6%).